Cronicamente (In)viável: Parem ‘1984’ que eu quero descer…

‘1984’ já foi levado ao cinema duas vezes, por Michael Anderson, em 1956, e por Michael Radford, em 1984. A imagem é da versão dos anos 1980 e mostra o ator John Hurt, que vive Winston, o protagonista da história

O mundo respira ares de Idade Média e o obscurantismo domina o que antes era busca por conhecimento. No Brasil, nas universidades federais, bolsas de pesquisa são cortadas porque a prioridade do atual governo não é a educação, o avanço da ciência ou o estímulo ao pensamento crítico e criativo que fazem as sociedades evoluírem. Cortes na educação infantil tiram, literalmente, a merenda da boca de estudantes pobres. Crianças que, muitas vezes, tinham a refeição da escola como a única do dia. As ciências humanas são execradas, como se a matemática, a física e a química não tivessem também suas origens na capacidade humana de questionar, investigar e experimentar.

Nesse mundo medieval do século XXI, livros didáticos devem ser reescritos porque a história é a mãe da memória e a memória é o impulso que nos torna humanos, críticos, questionadores e capazes de fazer escolhas sensatas. Então, para nos apagar enquanto indivíduos e assim minar as somas que fortalecem as comunidades e suas justas lutas por reconhecimento e respeito, é preciso agir como o ‘Ministério da Verdade’ criado por George Orwell no livro ‘1984’, e distorcer os fatos, fazer a mentira mais deslavada e sem lógica vestir o manto da verdade, que nua, busca abrigo na voz dos poucos humanos de bom senso que ainda restam.

Esse povo que atualmente nos governa detesta o conhecimento, acha inteligência algum tipo de doença e intelectuais seres altamente perigosos e ofensivos. Tanto que preferem dar ouvidos a criaturas perversas que usam o dom da palavra para alienar e não para educar. Gente que prefere jogar as discussões mais sérias no ringue rasteiro dos xingamentos gratuitos, criando polêmicas esdrúxulas que só afundam o país numa lama podre. E há quem aplauda esse circo e coloque caminhões de lenha nessa fogueira.

Gente mesquinha, preconceituosa e tacanha que dissemina na internet boatos infundados sobre vacinas, ressuscita equívocos há muito esclarecidos sobre o formato do planeta e sobre a evolução das espécies, desmerecendo milênios de estudos, pesquisas, observações e esforço intelectual. Porque tudo o que a humanidade é, deve aos indivíduos que, geração após geração, não aceitaram apenas o que seus olhos mostravam e foram em busca de entender as origens e os porquês da vida.

Essas criaturas abissais dessa idade das trevas em que, infelizmente, fomos jogados pelo desvario e os preconceitos de milhões de brasileiros que transformaram seus títulos de eleitor em pistolas calibre .44, servem de ‘gurus’ do apocalipse, perdidos em delírios, seitas e visões do inferno alimentadas por uma pudicícia forjada em desejos recalcados e muita hipocrisia. São seres malignos, que sofrem de deformidades da alma que mil encarnações ainda são poucas para reabilitar.

Nesse mundo de 2019 que parece saído de uma ficção científica distópica, teorias da conspiração substituem o que antes era fato histórico ou constatação científica. Pais e mães desinformados por grupos mal-intencionados de Whatsapp, incapazes de refletir e enxergar para além de suas bolhas, arriscam as vidas de suas crianças e epidemias antes praticamente extintas, renascem com o poder de mutação de vírus cada vez mais letais. Enquanto isso, médicos sanitaristas, cientistas e pesquisadores têm seus alertas desacreditados por correntes de grupos que reúnem desesperados e também os perversos que só querem criar o caos e assistir a miséria se espalhando.

Com os humanos regredindo na mesma proporção em que consomem as últimas reservas do planeta, a religião, nas suas formas mais preconceituosas, ditam muito ódio ao invés de pregar o amor, o respeito e a tolerância que, em tese, deveriam inspirar quem tanto apregoa estar imbuído de fé. Em nome de Deus não só se mata, como também e, principalmente, se aliena os indivíduos.

Por que 1984?

O livro de George Orwell é de 1949. O escritor criou uma fábula ambientada no distante futuro de 1984 (em comparação a 1949), quando os seres humanos viveriam em uma ditadura global, comandada pelo Grande Irmão (Big Brother), sem liberdades individuais ou direitos civis. O livro começa com o mundo dividido unicamente em três super países que se agruparam após uma guerra catastrófica. Esses super países ora brigam entre si, ora se aliam na proporção de dois contra um, ora se fundem como um único império. A inspiração de Orwell é o contexto da Europa após a II Guerra Mundial. Antes do conflito, porém, a Europa foi varrida por uma onda de ultranacionalismo, conservadorismo e autoritarismo. Nos últimos anos, a onda nazi-fascista vem se erguendo de novo e não só no ‘Velho Mundo’.

>>Leia resenha comparativa entre 1984 e Admirável Mundo Novo

Tenho me sentido dentro das páginas de ‘1984’ cada vez que abro o noticiário do dia e não paro de comparar a história do livro com a realidade atual do Brasil e do mundo. Às vezes, as semelhanças são tantas que até assustam.

No Ministério da Verdade, funcionários treinados para obedecer sem questionar são encarregados de reescrever a história do mundo de acordo com as conveniências de quem exerce o poder no momento ou de acordo com os jogos de guerra dos três super países da história. Se a gente pensa nas redes sociais de agora e no compartilhamento de notícias falsas, ou seja, de mentiras vestidas de notícia, e na forma ignorante como as pessoas afirmam essas mentiras como se elas fossem a mais cristalina verdade, a sensação é de que o planeta virou uma das seções do ministério de Orwell.

Em ‘1984’ também somos apresentados ao Ministério do Amor, que existe para torturar física e psicologicamente os indivíduos que não se ajustam ao comando do Grande Irmão. O Ministério do Amor usa a força bruta, quebra o corpo para quebrar o espírito, tal qual a polícia ou as milícias de agora. Cada vez que vejo comentários nas redes sociais de gente pedindo pena de morte ou desejando ter porte de arma, também sinto como se os torturadores desse ministério tivessem escapado das páginas do livro.

Para exercer o controle social dos cidadãos em ‘1984’ há a vigilância das teletelas, aparelhos instalados nas casas que se assemelham a uma televisão e que, além de só passar a programação permitida pelo Grande Irmão, também filma o dia a dia das pessoas e envia os dados para o alto comando. Não existe privacidade no mundo futurista imaginado por George Orwell. Também não existe mais privacidade com a inteligência artificial em smartphones e eletrodomésticos. E a tendência é piorar, até porque, toda uma geração nasceu com as redes sociais borrando as fronteiras entre vida pública e privada.

Mas, o que mais aproxima ‘1984’ do contexto político e social do Brasil e do mundo atual, para mim, é o ‘Dia do Ódio’, um evento que o Grande Irmão promove para que os cidadãos subjugados, humilhados, frustrados e vigiados possam exercitar a violência em sua forma mais primária e brutal. Nesse dia, as pessoas são estimuladas a gritar e dizer ofensas impublicáveis e a machucar umas às outras sem culpa. Mas, obviamente, elas não se voltam contra o Grande Irmão, mas contra vizinhos e contra, claro, o inimigo oculto, o outro, o estrangeiro representado no livro pelos moradores dos outros dois super países.

A crise migratória global e toda a raiva e xenofobia que levam, por exemplo, a atentados como os ocorridos este ano na Nova Zelândia ou no Sri Lanka dão uma ideia do que seria ‘O Dia do Ódio’ da vida real. Os xingamentos e o desprezo, que muitas vezes culmina também em agressão física, de moradores do sul e do sudeste do Brasil contra nortistas e nordestinos também ilustra bem o quanto um governo que legitima o preconceito se assemelha com o Grande Irmão do livro.

E o que fazer para sair desse looping?

O final de ‘1984’ é trágico e pessimista como reza a cartilha das distopias que George Orwell e outros autores anteriores, contemporâneos e que vieram depois dele ajudaram a consolidar e que Black Mirror apresentou à geração Z. Mas, em 2019, resistir é o único recurso para sobreviver à onda de obscurantismo e conservadorismo que ameaça afogar o mundo. E resistir significa muitas coisas, desde ir para a rua protestar até ler e analisar criticamente as informações que chegam. Mesmo com os seres abissais que por agora governam o Brasil querendo nos tirar o direito à educação, é preciso apostar no conhecimento como a única arma que realmente pode nos salvar das trevas.

*Publicado originalmente em mardehistorias.wordpress.com

Leia Mais

Mais empatia e menos sorrisos vazios, por favor!

Ser empático é reconhecer as dores e necessidades do outro como se fossem nossas
Ter empatia é reconhecer as dores e necessidades do outro como se fossem nossas

Brasileiro é aquele povo aguerrido e que tem a capacidade de rir de si mesmo e das próprias tragédias, confere? O problema é que segundo pesquisa divulgada em outubro deste ano pela Universidade do Estado do Michigan (EUA), nosso país figura na 51ª posição no ranking que mede o nível de empatia em 63 países. Vi a reportagem sobre a pesquisa essa semana, na Revista AzMina, e não fiquei surpresa. De fato, e a história recente do país está aí para comprovar, uma parte considerável dos brasileiros não consegue colocar-se no lugar do outro. Basta prestar atenção no tanto de preconceito e ódio destilados nas redes sociais. Temos fama de simpáticos, mas simpatia e empatia não são palavras sinônimas, como bem lembrou minha irmã quando conversávamos sobre a pesquisa.

Fiquei pensando nos acidentes de carro e nos engarrafamentos quilométricos que se formam porque as pessoas diminuem a velocidade para olhar os mortos e feridos no asfalto. Ter empatia, nesse caso, seria tirar o carro do caminho para deixar o socorro chegar  a quem necessita, seria não chafurdar no sangue alheio feito vampiros, apenas para saciar uma curiosidade mórbida. Fiquei pensando nas pessoas que fotografam e compartilham imagens de desastres e cenas de violência e maus-tratos no Whatsapp e Facebook. Por mais revoltado que se esteja com uma situação considerada injusta, invadir de tal forma a privacidade de alguém enlutado, ferido ou desesperado não é empatia, é crueldade. Compartilhar essas cenas não é revolta, é desumanidade.

Fiquei também pensando no sensacionalismo carniceiro da cobertura de parte da imprensa. E aqui, mesmo sendo jornalista, é preciso admitir que nem sempre nossos veículos noticiosos agem de forma respeitosa e empática. Infelizmente está virando norma caçar cliques à custa da dor alheia. As mancadas de sites, jornais e telejornais na cobertura da tragédia com a Chapecoense são prova nítida de que muitos profissionais de comunicação precisam reaprender normas básicas da profissão e conceitos essenciais para a vida em sociedade, como o respeito.

Uma parte do público rejeita coberturas toscas e manifesta essa indignação. Portais de notícias fizeram matéria mostrando o apelo dos internautas para que as conhecidos não alimentassem a rede dos carniceiros expondo fotos dos mortos no acidente aéreo. Mas, infelizmente, existe uma quantidade de interessados suficientes na selvageria para explicar, embora não tenha justificativa, a caça por audiência das coberturas sensacionalistas na mídia.

Um passeio rápido pelas caixas de comentários das reportagens que denunciam estupros, violência doméstica ou agressões contra homossexuais, por exemplo, oferecem um panorama bem real das estatísticas da pesquisa norte-americana. Com raras exceções, quase ninguém no nosso país que comenta esse tipo de matéria (não estou falando dos trolls, mas da suposta ‘gente de bem’) consegue se colocar no lugar das vítimas. Sequer consegue imaginar que a situação poderia ocorrer com familiares. As pessoas abrem mão da educação e do bom senso e promovem linchamentos virtuais, destilando crueldade e preconceito.

E a explicação para essa incapacidade de vestir a pele dessas vítimas, ou para respeitar o desespero ou o luto de uma mãe negra e pobre porque seu filho foi morto por policiais, é porque no Brasil existe mesmo, como bem diz a antropóloga ouvida pelas repórteres da AzMina, uma noção equivocada de que nós e a nossa família somos mais dignos e melhores do que aqueles que estão em uma classe social ou possuem etnia, cor de pele, grau de instrução, orientação sexual ou professam credos diferentes dos nossos. A crença na superioridade de alguns ‘eleitos’ em detrimento da ‘ralé’ é a perdição do povo brasileiro.

No dicionário, empatia significa, literalmente, a “capacidade de compreender o sentimento ou a reação de outra pessoa, imaginando-se nas mesmas circunstâncias”. Esse é um exercício que requer esforço, porque necessita de um desapego do próprio ego e a aceitação da realidade de que o mundo não gira em torno do nosso umbigo. Ser empático é ser consciente de que é preciso respeitar as diferenças e criar pontes de compreensão no lugar de muros de intolerância. Empatia pressupõe abrir mão de condenar as atitudes, comportamentos e preferências que não nos dizem respeito, para amparar o outro nas suas necessidades humanas, sem estabelecer critérios além daqueles ditados pela solidariedade.

Filosofia e psicologia explicam:

O termo empatia vem do grego empatheia, formado pelo prefixo ‘en’ (em) + ‘pathos’ (emoção, sentimento). A palavra foi usada pela primeira vez pelo filósofo alemão Theodor Lipps (1851-1914), para explicar a relação entre o artista e o espectador que se auto projeta na obra de arte. Na psicologia, a empatia é definida como uma das inteligências emocionais e é dividida em: cognitiva, quando conseguimos compreender a perspectiva psicológica do outro; e afetiva, quando conseguimos nos emocionar com as experiências alheias como se elas tivessem ocorrido conosco. A empatia também é grande um incentivo para o altruísmo, ou seja, para o amor desinteressado ao próximo, para a generosidade e a preocupação não egoísta com as necessidades de alguém, mesmo que esta pessoa não seja da nossa família. A empatia é o que nos torna humanos.

>>Confira a íntegra da pesquisa no Journal of Cross-Cultural Psychology (texto em inglês, arquivo em pdf)

Leia Mais

Só esqueceram de dizer à Holanda que o jogo estava ganho

*Texto da jornalista Giovanna Castro

É… Não deu… Vamos combinar que a Holanda não é o Chile, única seleção contra a qual o Brasil mostrou bom futebol nesta Copa da África. A seleção brasileira até que começou muito bem o jogo, Robinho e Kaká se movimentando bastante, explorando todos os cantos do campo, mas no momento em que veio o gol, eles acharam que a fatura estava liquidada. E esse foi o maior erro. Esqueceram de avisar aos jogadores da Holanda que o jogo estava ganho antes de terminar. Deu nisso, 2 X 1 para os holandeses, de virada que, como dizem os boleiros, é bem mais gostoso.

A Holanda não é nenhum Brasil, mas é uma seleção com jogadores que atuam com seriedade, têm talento e apostam no toque de bola e no contra-ataque.  Durante o primeiro tempo, não foi possível ver estas características, porque o Brasil dominava a partida com toques rápidos, jogadas inteligentes, concentração e ameaçando sempre o gol do adversário. Não sei o que aconteceu no intervalo do jogo, mas parece que no vestiário os canarinhos calçaram o salto alto.

Formação que entrou para jogar contra a seleção de Portugal na última partida da primeira fase

Do outro lado, era bola no chão e cabeça fria em busca de um objetivo concreto e isto fez toda a diferença. Já faz um bom tempo que não existe mais bobo no futebol. É certo que todas as seleções respeitam o Brasil pela seu histórico de vitórias, mas conquistar respeito é uma coisa, deitar nos louros da fama construída por gerações passadas é outra muito diferente. Não dá pra ganhar uma Copa do Mundo sem jogar futebol de verdade. O Brasil entrou nessa competição com o freio de mão puxado, fez somente o suficiente para conquistar o primeiro lugar do grupo na primeira fase, campanha arrematada pelo jogo insosso contra Portugal, partida que a seleção não estava muito a fim de ganhar.

Outros problemas que ficaram evidentes foram a falta de opções no banco para oferecer alternativas de jogo à seleção contra equipes que jogam de forma diversa e o completo destempero emocional dos jogadores do Brasil. O primeiro gol foi fundamental para detonar o descontrole, apesar de Robinho, mesmo tendo marcado para o Brasil, ter demonstrado irritação desde o começo da partida. Felipe Melo disse em entrevista após o jogo, cinicamente : “tenho força suficiente pra quebrar a perna dele [o jogador da Holanda], mas a jogada foi normal”. Não sabia que jogador da seleção brasileira entrava em campo com pensamentos que consideram a possibilidade de machucar seriamente o adversário. Lamentável…

Esperança agora é guardada para a Copa de 2014, que será disputada no Brasil

Como também foi lamentável a evidente comprovação de que Dunga não levou peças que pudessem substituir sua seleção titular. Ele levou a equipe dos seus sonhos e pronto. Contando que Kaká fosse ficar 100% e desconsiderando totalmente a possibilidade de seus jogadores faltarem ou por contusão ou por cartões amarelos, como acabou acontecendo, deu corda a si mesmo para se enforcar. Saiu pela porta dos fundos, se despedindo melancolicamente, dizendo: “todos sabiam desde o começo que meu tempo na seleção era de quatro anos”.

Um colega de trabalho (ah, esqueci de dizer que hoje assisti o jogo dentro da redação do jornal, por isso esta análise está sendo publicada tanto tempo após o jogo – as outras partidas vi em casa) disse: “Ronaldinho Gaúcho é quem deve estar adorando isso”. Sábias palavras, colega. Enfim, é isso mesmo. A seleção canarinho foi até onde poderia chegar. E olha que deu muita sorte ao pegar uma chave com adversários fracos e à medida que seguia adiante, enfrentaria o lado da tabela mais “fácil”. Não dá para negar que a Argentina vai ter uma pedreira bem maior ao enfrentar a Alemanha. Nos resta esperar uma atitude da CBF, sabedoria na escolha do novo treinador da seleção, e esperar pelo melhor no próximo mundial, em 2014, em verdes gramados tupiniquins.

>> Leia também o comentário sobre o jogo da seleção brasileira contra o Chile

>>  Leia também o comentário sobre o jogo da seleção brasileira contra Portugal

>>  Leia também o comentário sobre a partida do Brasil contra a Costa do Marfim

>>  Leia também o comentário sobre a partida de estreia do Brasil contra a Coreia do Norte

Leia Mais

Brasil vence Chile com facilidade e enfrenta a Holanda nas quartas de final

*Texto da jornalista Giovanna Castro

Não é à toa que Marcelo Bielsa, o técnico do Chile, é apelidado de El Loco. Botou o time para atacar o Brasil e até conseguiu segurar um pouco a seleção canarinho no campo de defesa, mas em compensação, abriu a possibilidade para os contra-ataques brasileiros. O retrospecto não ajudava os chilenos, que perderam os últimos cinco jogos de goleada nesta era Dunga e sempre com facilidade. E hoje não foi diferente. O Brasil começou a partida de uma maneira cadenciada e foi dominando aos poucos, furando a defesa adversária.

O primeiro gol de Juan fez o time relaxar e atuar com mais tranquilidade contra a seleção chilena que, em nenhum momento, deixou de jogar pra frente, o que deu mais movimentação ao jogo. Por causa disso, foi uma partida do Brasil mais animada, mais empolgante, porque o time jogou com mais liberdade. Ainda assim, vários problemas continuaram acontecendo, como as dificuldades de Daniel Alves, que ainda não disse a que veio nessa competição. O maior problema de todos foi a atuação discreta de Luís Fabiano, Kaká e Robinho, apesar do jogador do Santos ter sido eleito o melhor jogador da partida pela Fifa.

Seleção brasileira parte para o quinto jogo desta Copa, contra a Holanda

Kaká apareceu pouco, da mesma forma que Luís Fabiano e Robinho, em grande parte do jogo, mas é como costumo dizer, quando eles resolvem trabalhar juntos é fatal e foi o que aconteceu no segundo gol. Depois que Luís Fabiano toma a bola para o Brasil e passa para Robinho, o caminho do gol se desenha numa triangulação com Kaká, que deu mais um de seus passes simples e eficientes para a finalização do Fabuloso. O terceiro e último gol da seleção foi o primeiro de Robinho nesta Copa após receber um belo passe de Ramires que aliás, fez uma ótima partida. Infelizmente, fica fora do jogo contra a Holanda porque levou um cartão amarelo.

Mas acredito que o primeiro verdadeiro teste da seleção brasileira nesta Copa vai ser contra a Holanda, até porque o Brasil até agora jogou apenas o suficiente para ganhar de equipes que não ofereceram grande resistência, à exceção da partida contra Portugal, quando nenhuma das duas seleções estava lá muito afim de jogar e deu naquele 0X0 insosso.

Agora vamos enfrentar a Holanda, que tem 100% de aproveitamento nesta Copa, e sempre é uma pedra no caminho do Brasil como aconteceu naquela marcante partida das quartas de final da Copa de 1994, em que Branco bateu uma falta de longa distância com violência, abrindo o caminho para a conquista do tetra. O gol de Branco tirou a enorme tensão que envolvia aquela jogo já que o Brasil enfrentava dificuldades para vencer.

Neste momento da competição, quando chega o mata-mata, não dá mais para o Brasil errar e, para enfrentar a Holanda nas quartas de final, vai ter que tirar de dentro de si o seu melhor futebol porque as seleções nesta fase final começam a se superar e, principalmente contra a seleção brasileira, podem surpreender ou pelo menos complicar a trajetória do grupo rumo ao sexto título. No papel, o time brasileiro é superior, considerando as peças individuais, mas o conjunto da Holanda pode atrapalhar nossos planos.

>> Leia também o comentário sobre o jogo da seleção brasileira contra Portugal

>>  Leia também o comentário sobre a partida do Brasil contra a Costa do Marfim

>>  Leia também o comentário sobre a partida de estreia do Brasil contra a Coreia do Norte

Branco bate falta no jogo Brasil X Holanda, na semifinal da Copa do Mundo de 1994 e faz o gol que abre caminho para o tetra. Veja:

Leia Mais

Seleção chata, jogo chato, resultado burocrático. Êita, Brasil!

*Texto da jornalista Giovanna Castro

Vamo lá… Duas coisas me chamaram muita atenção nesta terceira partida do Brasil na Copa, contra Portugal, que ficou no 0 X 0.  A principal delas foi o fato do goleiro Júlio César estar jogando com uma proteção para a coluna lombar. E pela aparência do dispositivo, parece que é algo para imobilizar a coluna e evitar a dor. Esquisitíssimo! Até onde todo mundo sabia, Júlio estava bem e tinha se recuperado totalmente da contusão que sofreu ainda na fase de preparação do time nos primeiros dias de África do Sul. O aparato surpreendeu a todos, sem exceção, porque o próprio jogador e a comissão técnica em nenhum momento informaram a torcida que havia necessidade disso. Para quê esconder esse tipo de coisa? Lamentável! Depois do jogo, o goleiro disse que é uma proteção “psicológica” e que não sente nada nas costas…

Seleção brasileira contraria a vibração que é a tradução do amarelo da camisa

A segunda coisa foi novamente a atuação frágil da seleção que, mais uma vez, pendeu somente para o lado direito do campo, apesar do atacante Nilmar ter se esforçado pra chamar o jogo pra si. Dunga mexeu no time, aparentemente, não para testar novas peças e sim para poupar os jogadores. Entendo fazer isso com Elano e com Kaká, por motivos óbvios – foi expulso na partida contra a Costa do Marfim e ficou impedido de jogar – mas não entendo porque Robinho foi sacado. Principalmente num time que tem dificuldade de jogar pelo lado esquerdo, área do campo onde Robinho cai melhor.

Chegou um ponto, lá pelo final do primeiro tempo, em que Portugal começou a gostar do jogo. Parou de ter medo da seleção brasileira que, afinal de contas, não tava apresentando nenhum futebol, e começou a partir para cima. O técnico mexeu no time, que assumiu maior movimentação, ameaçando muito mais a seleção brasileira. Time apoiado num meio de campo “comandado” por Júlio Batista que errou passes demais e não construiu nada na partida. Daniel Alves é outro qu, diferente de ser o amuleto da seleção como vinha sendo em outras partidas, fez mais um jogo sem apresentar bom futebol. Arriscou bolas ao gol de longa distância e não mostrou maior objetividade.

Time que depende de atuações individuais não é grupo, não é equipe. Um time que não tem opções, cujo técnico não sabe fazer substituições, não sabe mudar o esquema do jogo, não sabe adaptar as peças que leva ao tipo de adversário, só pode mesmo fazer partidas sofridíssimas. Júlio Batista entrou para não fazer nada, Josué fez o que tinha que fazer e Ramires, coitadinho, da mesma forma que Grafite, entraram faltando pouco tempo para acabar o jogo. E o que poderiam fazer lá pelos 35 minutos do segundo tempo? Nada! Não dá para querer ser hexa campeão dessa forma sofrendo com seleções pequenas e sem maiores recursos técnicos.

Daniel Alves e Júlio Batista que entraram jogando nesta partida, contribuíram para a chatice do jogo

Gostaria muito de ver o Brasil jogando contra as seleções maiores. O que aconteceria se o Brasil pegasse a Argentina? A Alemanha? A Holanda? Nenhuma delas está dando show, mas andam conseguindo resultados bem melhores do que a seleção brasileira, baseados em melhores atuações. O Brasil precisa resolver o seu meio de campo. Considerando que as peças já estão lá, não tem como convocar outros jogadores, resta torcer para que Kaká volte à sua melhor condição e tenha lampejos para abrir caminhos nas retrancas e construir resultados mais interessantes para o país. Ficou claríssimo que o time depende muito da atuação de Kaká e não há substituto no elenco para ele. Somente assim para o time conseguir dar continuidade à sua jornada até o título sem pensar no adversário das oitavas seja ele Espanha, Chile ou Suíça.

>>  Leia também o comentário sobre a partida de estreia do Brasil contra a Coreia do Norte

>>  Leia também o comentário sobre a partida do Brasil contra a Costa do Marfim

Leia Mais

Brasil vence seleção da Costa do Marfim mas perde Kaká

*Texto da jornalista Giovanna Castro

Ufa! O Brasil aplicou 3 gols na seleção da Costa do Marfim e levou um numa distração da defesa que fez a chamada linha burra. O atacante Drogba entrou na área brasileira em totais condições, não havia impedimento. Sim, mas como eu ia dizendo, ufa! A equipe se classificou mas voltou a dar aquela angústia na torcida ao começar jogando muito mal de maneira até sonolenta.

Durante boa parte do primeiro tempo e até o momento do gol inaugural, aos 24 minutos, o Brasil estava mesmo levando um certo calor da seleção africana. Os marfinenses estavam gostando do jogo e até surpreendendo  os jogadores brasileiros com sua rapidez e força física. Para o bem da seleção canarinho, Drogba estava sozinho lá no ataque e, afinal de contas, lutar isoladamente contra a defesa que é considerada a melhor do mundo, é uma tarefa bastante inglória.

Kaká perdeu a cabeça e desfalca a Seleção Brasileira no próximo jogo, contra Portugal

Mas aos poucos o time foi melhorando e quando Kaká deu o ar da graça, que não tinha dado na primeira partida desta copa, o resultado foi a abertura do placar pelo atacante Luís Fabiano. Ele, que havia seis jogos não marcava, fez um gol que demonstrava o quanto esse jejum estava entalado na garganta. A bomba desferida contra o gol marfinense exorcisou os meses de seca e abriu espaço para os outros gols que viriam.

É claro que o adversário fez um teatro maior do que deveria, se jogou no chão, pôs a mão na boca, mas me surpreendi ao ver que Kaká não é aquele santo todo que ele gosta de vender na mídia. Ele também sente raiva e extravasa, dá o troco.  Se você olhar o replay da jogada, vai perceber que o jogador adversário vinha sem olhar para o brasileiro e acabou levando a bordoada. Mas começo a ver sangue nas veias, sangue no olho, elementos que fazem uma equipe avançar nas competições, muito diferente do que aconteceu no primeiro jogo contra a Coreia do Norte, e nos minutos iniciais desta partida contra a Costa do Marfim. E isso é muito positivo.

Não precisava, no entanto, chegar ao ponto de provocar a própria expulsão. Neste momento da competição, em que ele começava a se recuperar e participava mais das jogadas, ele sai da equipe e após 59 dias parado e uma partida de retorno, vai ficar cerca de uma semana parado novamente, interrompendo o seu processo de recuperação. Ou aperfeiçoando, torço.

Depois de fazer o segundo gol do Brasil, Elano seria alvo da violência dos jogadores marfinenses

Agora, que alguma coisa está muito errada num jogo de futebol quando o árbitro se torna a figura principal da disputa, está. E foi o que aconteceu hoje. “Seu” Stefany Lannoy perdeu totalmente o controle da partida, deixando a pancadaria correr solta, e ainda protagonizou a cena mais esquisita que eu já vi. Logo depois do gol de Luís Fabiano com um toque de mão e um toque de braço que ele mesmo admitiu, o ábitro faz o gesto indicando com a mão o braço e pergunta a Luís Fabiano se ele havia tocado na Jabulani, o que o jogador, obviamente, nega. Nunca vi disso, juiz discutindo jogada com jogador? Daquele momento em diante, o controle do jogo e a autoridade do árbitro estavam perdidos.

Mas, tirando essa lamentável atuação do árbitro, minha maior curiosidade mesmo é saber como Dunga vai se virar sem Kaká no meio de campo. Quem vai ser o substituto do craque solitário do meio campo? Júlio Batista? Robinho? Se o time já vinha meio mal das pernas com ele, imagina sem ele. Sem falar que o próximo adversário é Portugal, muito melhor que as seleções da Coreia do Norte e da Costa do Marfim.

>> Leia também o comentário sobre a partida de estreia do Brasil contra a Coreia do Norte

Leia Mais

Falta de empolgação marca estreia da Seleção Brasileira na Copa

*Texto da jornalista Giovanna Castro

Não é por nada não, mas tem que ter paciência, muita paciência para assistir até o fim os jogos do Brasil nessa chamada era Dunga. A Seleção estreou na Copa nesta terça-feira obviamente envolta em muita expectativa por causa dos três anos e meio de vitórias do escrete sob o comando do ex-capitão, mas também com aquela mega pulga atrás da orelha devido aos nomes que formam a seleção principal. A maior estrela do time, Kaká, há 50 dias sem jogar uma partida, sem ritmo de jogo, e machucado, afinal de contas, alguém aí se convenceu que ele se curou das contusões no púbis e na coxa? Não, pode dizer, se convenceu mesmo? Acredito que não.

Ai, Jesus Cristinho, dai-me paciência para aguentar o time do "anão"! Sofremos para vencer a Coreia por 2x1

Na última coletiva de imprensa, antes da partida de estreia contra a Coréia do Norte, ele mesmo disse que não sabia se aguentaria ir até o final do período de jogo. Cansaço? Falta de preparo físico por causa dos dias sem jogar? Dor? Ou tudo isso junto? Aliás, não consigo entender como é que pode um país historicamente pródigo de bons jogadores se apoiar numa única peça e dar a ela a responsabilidade de fazer o time um time vencedor…

Tá na cara que tem alguma coisa errada aí… Luís Fabiano, então, não conseguia chegar na bola de maneira convincente… Robinho, que já declarou que quer ser escolhido o melhor jogador da copa 2010, se destacou no meio da mediocridade, mas não fez lá grandes coisas. Exceção para o sen-sa-cio-nal e açucarado passe  dado para Elano marcar o segundo gol.

É sempre assim. Ou melhor, já faz um tempo que a seleção não vai a campo de forma empolgante. É algo muito claro. E o que mais chamou atenção nesse primeiro jogo foi perceber a falta de entusiasmo das pessoas à medida que o jogo passava de morno, pra lento, em seguida modorrento e finalmente, insosso e sem graça.

Ao final do jogo, não ouvi a quantidade de fogos de artifício que em outros momentos mais graciosos da seleção eu ouvi estourar. Umas poucas bombas soaram nos momentos dos gols, sendo, finalmente, silenciadas pelo melancólico gol de honra da Coreia do Norte.

Será que voltaremos a ver essas duas mãos apontadas para o céu na Copa da África 2010?

O time de Dunga é muito sério, muito engessado, com poucas alternativas de jogadas. Não tem surpresa. O primeiro tempo inteirinho o time parecia torto, jogando invariavelmente pelo lado direito onde Maicon carregava o piano, já que Elano não conseguia dar conta do recado, sumido que estava.

Foram 45 minutos de enfado que somente começaram a melhorar no início do segundo tempo, quando a galera caiu na real e percebeu que ia pegar mal demais empatar com uma das piores seleções do mundo. Rolou aquela correria, os dois gols aconteceram e o anão, ou melhor Dunga, pra variar só começou a fazer mudanças no time lá pelos 30 minutos do segundo tempo. Entraram Daniel Alves e logo depois Ramires.

Aqui pra nós, fico imaginando sobre como os jogadores devem se sentir ao entrar num jogo da seleção brasileira – sempre favorita ao título e por isso mesmo, sempre submetida a uma grande pressão e cobrança –  tendo apenas 10, 15 minutinhos para fazer alguma coisa ou, como quase sempre ocorre, com a missão de mudar os rumos da partida. Desta vez, nem mesmo aquele que costuma entrar e desequilibrar, Daniel  Alves, deu jeito na história.

Uma das coisas que mais me incomoda na seleção é a postura de Dunga, o anão, ele passa o jogo inteiro impassível e acreditando até o final que está fazendo a coisa certa. Aqui com meus botões – não resisto ao trocadilho, mas meus botões são bem mais bonitinhos que aqueles botõezões do inacreditável, de tão horroroso, sobretudo de Dunga – eu acho que por dentro ele tá remoendo suas escolhas e torcendo para que um dos talentos se destaque  e resolva o problema que é fazer gols numa jogada individual.

Copa da África 2010 é teste de fogo para a seleção do rabugento Dunga

Pra mim, que gosto de esportes e particularmente de futebol, uma partida é para se divertir, é sentir a emoção, o frio na barriga dos chutes ameaçadores, aquele “uuuuuuuuuuuuu” que a gente faz quando a bola passa pertinho do gol e teima em não entrar, caprichosa. Com essa seleção acabrunhada, sem empolgação e sem brilho, fica difícil torcer. O anão insiste em querer tirar de nós essa alegria que, nada a ver com propaganda de órgão oficial de turismo, é mesmo inerente do brasileiro.

Ele quer que a gente seja europeu, aparecendo de gola rulê e sobretudo cafona para o planeta inteiro. Ele quer ser europeu e quer convencer também a gente a ser das “ôropa”. Jogando aquele jogo duro e triste. Não à tôa, todos os titulares, e somente por acaso, muito acaso mesmo, à exceção de Robinho, que deu piti e saiu do Manchester City pra jogar no Santos, onde recuperou seu futebol, todos eles são “estrangeiros”, ou seja, jogam em times europeus. Não sei não, estamos apenas no começo da jornada na África do Sul e torço pelos lampejos e pelo talento individual de nossos jogadores, apesar de Dunga. É e tem sido nossa única esperança. Porque espetáculo, essa seleção não vai dar… Torço sinceramente para os milionários queimarem minha língua…

Leia Mais

Garimpo Quatro Estações na onda “canarinho”

A loja Garimpo Quatro Estações está com uma coleção de camisetas estilizadas para as torcedoras que querem estampar o amor pela Seleção Brasileira com estilo. Aproveitem que o primeiro jogo do Brasil na Copa 2010 é na próxima terça-feira e passem por lá para conferir as novidades. Abaixo, uma pequena mostra:

Serviço:
Garimpo Quatro Estações
Boulevard 161 – Itaigara. Tel: (71) 3353-6604
Site: www.garimpoquatroestacoes.com.br

Leia Mais