Test Drive: Bio Firmador – Natura Chronos

Bio Firmador da linha Chronos para cuidados do corpo. Frasco de 100 ml custa R$ 69,70 na revista da Natura

*Texto e teste feitos por Andreia Santana

Esta é a primeira vez, desde que o blog foi criado e iniciamos a sessão Test Drive, que não tenho nada positivo para dizer de um produto. Mesmo quando os resultados não são 100% satisfatórios, alguma vantagem existe e para ser justa, faço questão de sempre elencar prós e contras. Mas a verdade é que o Bio Firmador da linha Chronos Natura só me causou decepções. Empolgada com o resultado do produto que é primo desse, o Sérum Bio Redutor, que teci inúmeros elogios e adotei na necessaire entre os favoritos, inclusive acabo de encomendar um novo, me joguei no Bio Firmador, achando que obteria resultados semelhantes. Mas dessa vez foi só frustração! Uma prova de que a marca nem sempre é garantia de que tudo o que é lançado sob sua chancela será perfeito. A Natura, que eu realmente gosto e consumo, errou feio dessa vez. Ao menos para mim. Nunca é demais lembrar que o teste foi na minha pele, mas outras usuárias do mesmo produto podem ter uma impressão completamente diferente da minha. Se alguém, inclusive, usou e gostou, fique à vontade para dividir a experiência na caixa de comentários do post.

Usei dois frascos para fazer um mês de teste. O regular e o refil, que também tem 100ml

Ao contrário do Bio Redutor, e não tem jeito de não comparar as duas experiências, já que uma foi tão positiva, o Bio Firmador tem um cheiro desagradável. No meu ultra sensível e chato narizinho (de perfumista como diz uma amiga minha, ou de sommelier, como diz outra), o produto cheira a alguma substância química carregada no álcool. Os ingredientes ativos, segundo descrição da bula que acompanha o produtinho são: politensor vegetal de proteínas de soja e arroz, Elastinol + R e CAO (o complexo antioxidante da marca). Não sei o que tem dentro do CAO, mas com certeza alguma coisa cheira a álcool nesse produto.

Como sou movida pelo olfato, o cheiro já me causou uma certa indisposição com o creme. Mas decidi testar o efeito. Justiça seja feita, ao passar o Bio Firmador na pele, não fica nenhum odor residual, ele se dissipa, o problema  do cheiro forte é durante a aplicação. Só que aí vem o segundo problema, mais grave, na minha opinião: o negócio empelota! Apesar da consistência leve, tipo gel-creme, quando você começa a espalhar e massagear o corpo, mesmo sem ter passado nenhum hidratante anteriormente, o produto vai se transformando numa cera esfarelenta. Meu produto estava dentro da validade (setembro de 2012), também sou chata com isso, e eu apliquei após o banho, com a pele devidamente lavada e seca. Experimentei, inclusive, com a pele depilada, porque podia ser que o empelotamento fosse devido aos pelinhos naquela fase de crescimento pré-depilatória. Nada, empelota mesmo, senti como se tivesse passado sebo de vela nas pernas e barriga.

A consistência de gel-creme me enganou. Na pele, o produto empelota e esfarela como se fosse uma parafina

O efeito prometido, também na bula do produto, é recuperar a firmeza e elasticidade da pele, além de dar um efeito tensor. Fiquei me perguntando se o efeito tensor era provocado por essa sensação de que você usou parafina na pele. Porque se for isso, #fail Natura! Quanto a firmeza e elasticidade, usei por 30 dias (foram dois frascos), e não vi nenhuma melhora. Nem mesmo na hidratação, para dar aquele efeito aveludado, como ocorre com o Bio Redutor, que embora seja para reduzir medidas, também hidrata super bem, por exemplo.

No fim das contas, me senti lesada, porque o produto não é barato, o frasco de 100 ml, que dá para uns 15 dias, custa R$ 69,70 (o refil custa R$ 55,40) e para ter um mês de teste, foi um frasco + um refil = R 125,10. Quando o produto é bom e cumpre o que promete, encaro o preço salgado como um investimento. Cuidar de si mesma é sempre investimento, em autoestima, vivo defendendo isso aqui no blog. E gosto de me cuidar, não é novidade.

Mas quando a compra é frustrante, vocês bem sabem o que isso significa 🙁

*Andreia Santana, 37 anos, jornalista, natural de Salvador e aspirante a escritora. Fundou o blog Conversa de Menina em dezembro de 2008, junto com Alane Virgínia, e deixou o projeto em 20/09/2011, para dedicar-se aos projetos pessoais em literatura.

Leia Mais

Demaquilante antes ou depois?

*Texto e pesquisa de Andreia Santana

É uma dúvida comum  para muita gente, se o demaquilante deve ser usado antes ou depois e as respostas tanto de especialistas quanto de outras blogueiras variam muito. Há quem adote antes (como eu) e há os que preferem usar depois do banho, como uma etapa final da limpeza da pele, antes de dormir.

Acredito que quem faz dessa maneira está confundindo demaquilante com adstringente e as duas coisas não são sinônimas. O demaquilante serve para remover resíduos de maquiagem do rosto e olhos, sendo encontrados na forma bifásica (para olhos e rosto) ou em versões específicas para cada caso, podendo ainda ser oleosos ou à base de água, para peles oleosas, secas, normais ou sensíveis, entre outras especificações.

Já o adstringente, que pode até socorrer para tirar maquiagem numa emergência, na verdade é um produto de limpeza da pele que serve para desobstruir  e minimizar a aparência dos poros, ajuda a remover impurezas como resíduos da poluição da rua e, principalmente elimina a oleosidade da pele. A definição do termo adstringente em Biologia é mais ou menos essa aqui, segundo o Dicionário Aurélio: “produto que contrai, estreita, reduz, produz constrição, união, ligação; que contrai os tecidos e vasos sanguíneos, diminuindo a secreção das mucosas”.

Quem usa demaquilante após o banho, como etapa final de limpeza da pele, argumenta que tira “o grosso” da sujeira com água e sabão e depois elimina os resíduos com o demaquilante. O argumento é combatido pelos dermatologistas porque água e sabão NÃO removem maquiagem, de jeito nenhum. A verdade é que, minha dermato até treme se alguém falar isso perto dela, sabonete comum, que limpa o corpo, não serve para lavar o rosto. Não se sua intenção é manter a pele jovem e com viço por mais tempo. Não é por pura e simples frescura que existem tantos produtos para cuidar do rosto. Essa região é delicada, a pele é mais fina e sensível, e fica também bastante exposta – ninguém usa roupa no rosto – daí a necessidade de cuidados especiais como proteção solar, por exemplo. E no caso das mulheres, que usam maquiagem diariamente (a maioria, ao menos) cuidar do rosto torna-se necessidade “vital” no final do dia.

Como disse no começo do post, faço parte do time que usa o demaquilante antes do banho. Mas, como não posso dar 100% de garantias de que estou certa e que quem faz o contrário está errada, só posso falar da minha experiência. Faço assim, em cinco passos:

1 – Ao chegar da rua e começar a remoção da make, apelo para lenços demaquilantes. Uso de várias marcas, depende do que eu encontrar  mais fácil para comprar quando o estoque termina: Nívea Visage, Natura Faces, Neutrogena (em mim qualquer um desses funciona).

2 – Após passar um ou dois lencinhos no rosto (tudo vai depender do tipo de make que fiz, se uma mais carregada ou mais leve), entro com um demaquilante líquido, geralmente adoto bifásico, embebido em algodão macio, para não agredir a pele do rosto. Uso também cotidianamente, a depender do que tiver à mão: Chronos Natura, Mary Kay, Contém 1g etc. Também já usei o líquido da Nívea e o Vicky, que é xodó das fashionistas. A Pharmapele (farmácia de manipulação) também tem um muito bom.

3 – Passado o demaquilante, daí vou tomar meu banhozinho (sem chance de eu chegar da rua, por mais cansada que esteja e não tirar a make e tomar um bom banho, nem que tenha vindo de um plantão de 12 horas  de reportagens em pleno Carnaval – o que é o equivalente a uma balada. Se não fizer meu ritual, não consigo dormir). Durante o banho, uso no rosto sabonete em gel facial, para remover o resíduo de demaquilante do rosto. Isso é importante para mim porque tenho a pele oleosa e é nessa fase dos cuidados que opto por produtos específicos para o meu tipo de pele ou que ajudem a remover oleosidade. Costumo usar qualquer um desses aqui: cleanser 3 em 1 da linha Timewise, da MK; o gel da linha Natura Faces para pele oleosa, o Clearskin Professional da Avon (que faz uma leve esfoliação – daí uso só uma ou duas vezes na semana), o sabonete líquido Dermotivin – excelente para pele oleosa e acneica; o sabonete líquido para pele oleosa da linha Chronos Natura; gel de limpeza da Nívea Visage, Clean & Clear Johnson ou L´oreal, sempre fáceis de achar na farmácia, etc.

4 – Após o banho, aí sim, seco o rosto e passo levemente, com um algodãozinho, um pouco de adstringente, principalmente na zona T. Quem não tem pele oleosa e com tendência a acne, como eu, pode até pular essa parte. Se bem que, “propriedades de contrição” (fechar os poros, lembram?)

5 – E para finalizar, uso um hidratante facial noturno – em consistência de gel/creme – para nutrir – e acalmar a pele depois de tanta limpeza – durante o soninho. Gel-creme por causa da oleosidade. Existem diversas marcas bacanas no mercado e adequadas aos vários tipos de pele. Eu costumo usar as versões das marcas já citadas acima. Pele oleosa, volto a repetir, precisa sim de hidratação.

Imagino que quem não tem muita paciência para cuidados diários com a pele já desistiu no segundo passo, mas digo para vocês que comigo funciona bastante. Além dos benefícios ao rosto – e aqui vale lembrar que tem de estender os cuidados ao pescoço e colo – , que são indiscutíveis e qualquer dermatologista vai atestar isso, esse ritual é uma forma de automassagem no ego. Depois de um dia, muitas vezes estressante, de trabalho, esse momento “eu comigo mesma” traz benefícios para qualquer pessoa. É quase uma autohipnose, uma técnica de relaxamento que no final da noite, revela-se excelente sonífero. Caio nos braços do rei Morpheu serena e de pele reluzente. Indico!

*A experiência é minha, mas as fotos das modeletes são das marcas de cosméticos.

**Andreia Santana, 37 anos, jornalista, natural de Salvador e aspirante a escritora. Fundou o blog Conversa de Menina em dezembro de 2008, junto com Alane Virgínia, e deixou o projeto em 20/09/2011, para dedicar-se aos projetos pessoais em literatura.

Leia Mais

Test Drive: Liiv Botanicals Avon

*Texto e testes de Andreia Santana

Um bom espaço para discutir moda e beleza precisa ter sua sessão de testes. Afinal, quem é que não gosta de saber uma segunda opinião antes de comprar algum produto? Nós, embora sejamos jornalistas comprometidas com a verdade e a apuração dos fatos, também somos consumidoras que sentem na pele o efeito das próprias escolhas. Alguns produtos, para nós, nosso tipo de pele, cabelo, corpo, são excelentes, outros, ao usarmos, vemos que não surtem o efeito esperado. A ideia do Test Drive, nova sessão do Conversa de Menina, inaugurada nesta quarta-feira, é dividir com vocês as experiências de três mulheres que consomem cosméticos, perfumes, roupas, acessórios e uma infinidade de produtos femininos à venda no mercado.  Nossa intenção não é avaliar negativamente nenhum produto – embora sejamos críticas com relação ao que consumimos – e nem recomendar o uso para ninguém, mas apenas dividir o efeito causado em nós mesmas e que talvez, sirva como aquela opinião a mais para mulheres que tiverem um perfil parecido com o nosso. No espaço de comentários dos posts, inclusive, ficaremos felizes em ler opiniões de outras pessoas que também tenham usado o mesmo produto.

Para começar  o test drive, experimentei três produtos da linha Liiv Botanicals Avon, produtos estes comprados por mim enquanto consumidora e não enviados por nenhuma assessoria de comunicação. Prometemos sempre avisar para vocês quando recebermos algum produto de divulgação para teste. Conto agora como me senti após duas semanas usando o Liiv Botanicals:

Quem testou: Andreia Santana, 35 anos

Cor e tipo da pele: Morena clara, com tendência a oleosidade, acne no grau 1, ausência de rugas profundas

Período de uso: duas semanas

Produtos testados: creme revitalizante para a área dos olhos, gel de limpeza facial revitalizante, gel facial revitalizante (noite)

Investimento total: R$ 50,00

Também tenho a pele muito sensível, do tipo que vira vermelho pimentão se tomo sol demais. Como sou alérgica a vários tipos de medicamento e substâncias, encontrar produtos para mim é uma tarefa delicada. Resolvi comprar o Liiv Botanicals porque a promessa da Avon era de produtos naturais, sem aditivos químicos. O gel de limpeza facial, para lavar o rosto, revelou-se muito refrescante e capaz de remover impurezas e oleosidade da minha pele. Saí do banho com a sensação de pele limpa. Após lavar o rosto com o gel, utilizei o creme revitalizante para a área dos olhos e reparei que ao contrário de alguns outros produtos que experimentei no passado, este não é do tipo grudento. A absorção é muito boa e a cobertura também. Com um pouquinho de creme consigo cobrir toda a área das pálpebras superiores e inferiores (naquela zona da olheira). Reparei apenas que preciso ter cuidado para não deixar cair produto dentro dos olhos, porque ardeu, embora após lavar com água em abundância, não tenha surgido nenhum efeito como inchaço ou vermelhidão. Por último, passei no rosto o gel facial revitalizante (noite). Escolhi comprar “o noite” porque como tenho tendência à oleosidade e um pouco de acne, evito usar cremes e prefiro os cosméticos em formato gel ou gel-creme, geralmente  oil free (livre de óleo). Li no folheto do produto que quem tem acne severa não deve usar. Como não é o meu caso, para mim funcionou. O resultado, nestas primeiras duas semanas de uso, foram muito bons. A pele ficou muito limpa e fresquinha, com um nível de hidratação agradável ao toque. O que mais gostei dos produtos é que não deixam o rosto muito melado e também dá uma sensação muito boa de rosto que acabou de ser lavado, que dura horas após o banho. Para usar após chegar do trabalho à noite e fazer aquela higiene cuidadosa para retirar as impurezas da rua, está perfeito. Ainda não deu tempo de reparar se ele também age recuperando micro-danos da pele e eliminando os primeiros pezinhos de galinha, mas conto para vocês quando tiver mais tempo de uso…

*Andreia Santana, 37 anos, jornalista, natural de Salvador e aspirante a escritora. Fundou o blog Conversa de Menina em dezembro de 2008, junto com Alane Virgínia, e deixou o projeto em 20/09/2011, para dedicar-se aos projetos pessoais em literatura.

Leia Mais