Batom Líquido Matte Luciana Gimenez Cor 13

Oi, meus amores! Hoje vim falar pra vocês daquele batom que você compra aleatoriamente e que acaba curtindo ele, sabem como é? Pois bem, estava eu navegando no site da farmácia em que eu normalmente compro medicamentos, quando me deparei com o batom líquido matte da linha da Luciana Gimenez. Sou apaixonada por batom matte, e como o preço estava bacana, resolvi comprar a cor 13 para experimentar.

BATOM LÍQUIDO MATTE LUCIANA GIMENEZ Cor 13 | foto: conversa de menina

Apesar de na foto parecer que ele tem brilho, na boca ele fica com o aspecto mais sequinho, mas não fica desconfortável, como alguns batons matte. O batom 13 da Luciana Gimenez tem um tom de malva bem bonito, eu acho essa cor o máximo! É a cor que eu usaria todo dia sem enjoar, sabem? Que dá pra combinar com todo tipo de make. Dá pra colocar uma sombra discreta ou fazer aquele olhão preto que a make vai ficar bonita com ele.

BATOM LÍQUIDO MATTE LUCIANA GIMENEZ Cor 13 | foto: conversa de meninaNão tem a maior durabilidade do mundo, como a grande maioria dos batons também não tem. E, honestamente, não me incomoda nem um pouco retocar um batom se for preciso. Aliás, isso pra mim não faz muita diferença, confesso. Não é uma exigência para que eu compre um batom, sabem? Se eu gostar da cor, se ficar bem em mim, eu compro. Desde que essa falta de durabilidade seja compensada pelo valor. Jamais pagaria caro num batom que não dure. É a lei da compensação.

BATOM LÍQUIDO MATTE LUCIANA GIMENEZ Cor 13 | foto: conversa de meninaEu paguei nele cerca de R$ 15 no batom líquido matte e não me arrependi de jeito algum. Já estou até pensando em arriscar outras cores. A embalagem é bem grandinha também, ele rende bastante. O aplicador é o normal de batom líquido, nada de anormal. Então é isso, meus amores. Vocês já conheciam essa linha de batom líquido matte da Luciana Gimenez? Me contem a experiência de vocês!

Beijocas e até já!

Leia Mais

Preparação física na areia: minha experiência

preparação física na areia | foto: conversa de meninaEu faço preparação física na areia já há algum tempo. Comecei a fazer treinos na praia em 2010, mas, por força das circunstâncias, precisei interromper. Só consegui retomar os treinos ano passado (2016), e desde então tenho mantido a constância e frequência. Sempre posto fotos nas redes sociais e recebi uma grande quantidade de perguntas a respeito dos benefícios, indicações, contraindicações etc.

Decidi conversar com meu preparador físico, Igor Alisson, e reunir informações para escrever esse texto para vocês. Aliado a essa demanda, os treinos na praia me ajudaram muito a melhorar desempenho e condicionamento físico também nas outras atividades, então acho bem bacana compartilhar isso com vocês e, quem sabe, motivá-los a abraçar essa prática esportiva.

Treinar na areia é bem diferente de treinar em um academia, por exemplo. Tem todo um clima por trás do treino em si. Além de estarmos em um terreno diferente, que exige bastante da gente, conseguimos aliar o trabalho do corpo com o trabalho da mente. Ver o sol nascer, estar próximo do mar, colocar o pé no chão e tocar a areia ao mesmo tempo em que você exercita seu corpo não tem preço. Eu treino todos os sábados, às 6h, no Jardim de Alah, e costumo dizer que se você começa o sábado assim, com essa energia, não tem como nada dar errado no restante do final de semana. Ou seja, todo o ambiente é propício para incentivar o desempenho e performance. Imagine você correr em direção ao mar? Não tem como não dar aquele gás!

preparação física na areia | foto: conversa de menina

Preparação física na praia: escolha um bom profissional

O primeiro passo para começar a treinar na areia – e eu diria, o mais importante – é a escolha do profissional que vai orientar seu exercício. O meu preparador físico, Igor Alisson, além de ter sido um dos precursores desse tipo de treino por aqui, é Especialista em Fisiologia e Prescrição do Exercício, pela Gama Filho-RJ, é Avaliador de Aptidão Física e é ainda pós-graduando em Biomecânica e Treinamento de Força Adaptados às Atividades Motoras, pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

preparação física na praia | foto: conversa de meninaAgora vocês entendem por que eu sempre faço questão de ressaltar a qualidade do trabalho dele? O cara é bom mesmo. Aliás, ele foi o grande responsável pela minha mudança de vida em termos físicos. Só para exemplificar essa tal mudança, já se foram cerca de 20kg e uma transformação drástica no formato e composição corporal.  Digam aí se ele não manja dos paranauê? Faço propaganda mesmo. E se você quiser mudar de vida também, ligue pra ele e converse (vou deixar os contatos no final desse post). No primeiro bate-papo você vai concordar comigo, não tenho a menor dúvida disso.

preparação física na praia | foto: conversa de meninaPor que é importante?

Falo da importância da escolha do profissional por uma razão clara. Ao tempo em que o treino na areia auxilia a evolução do atleta, também exige cuidados. Um treinamento displicente pode jogar todo um planejamento no lixo. O profissional precisa avaliar sua atual condição, para te passar o treino adequado. Em um mesmo grupo, nem todos possuem o mesmo condicionamento. Isso deve ser levado em conta. É preciso ter a segurança de que você sendo orientado por um profissional de confiança, que sabe o que está fazendo. Como estamos vivendo uma fase de auge do estilo de vida saudável, não dá para vacilar e colocar sua saúde em risco nas mãos de qualquer um. Lá onde treino, cada pessoa que entra passa por uma avaliação, precisa conversar com ele antes de começar. Você se sente mais seguro e tranquilo. Isso pra mim é fundamental.

Riscos e benefícios

preparação física na praia | foto: conversa de meninaSão inúmeros os benefícios de uma preparação física na areia. Já falei aqui da questão do ambiente, que ajuda demais. O contato direto com a natureza nos deixa mais relaxados, mais à vontade, cria uma atmosfera mais gostosa de treino. A areia também diminui o impacto das articulações e é excelente para desenvolver força, já que exige bastante dos músculos. É um treino muito bom para tonificar os músculos, especialmente das pernas (fica daqui ó). Melhora muito o condicionamento físico e ainda ajuda a emagrecer (se seu objetivo for esse, claro).

Como estamos falando de uma superfície irregular, há risco de lesões. Pedras e objetos deixados na areia podem causar acidentes, já que muitas vezes ficam escondidos e o indivíduo só percebe o risco depois de ser atingido por ele. Embora esse seja um risco efetivo, eu nunca tive qualquer acidente nem lesão na areia em todo esse período de treino. Nem eu nem ninguém da turma que treina comigo. Acho importante também esclarecer isso. Um outro aspecto é que o treino constante na areia pode causa alteração biomecânica, ou seja, a pessoa perder o padrão do movimento, e pode reduzir a velocidade do indivíduo. preparação física na areia | foto: conversa de meninaMas isso vale muito mais para quem é atleta de corrida de asfalto. Não interfere tanto assim na vida de meros mortais como a gente. 🙂

Especificidades do meu treino

Como falei antes, treino com o preparador físico Igor Alisson, todos os sábados, 6h, no Jardim de Alah. Ele usa uma série de equipamentos e acessórios, para intensificar o treino e adaptá-lo a necessidades e objetivos específicos. Ninguém melhor do que ele, para explicar exatamente como funcionam os treinos: “Nos nossos treinamentos, valorizamos a capacidade aeróbia, dando ênfase em valências físicas, como agilidade e coordenação motora, fazendo uso de materiais diversos, como escada de agilidade, cones e barreirinhas. Exercícios estabilizadores do core e mobilidade articular são de fundamental importância para um trabalho seguro, e por isso também fazem parte do nosso trabalho”.

preparação física na areia | foto: conversa de meninaNa prática, é um treino bem intenso, bem forte. A intensidade do treino depende de sua condição física, mas Igor tem algo que eu valorizo demais em um profissional, que é o poder da motivação. Ele te motiva o tempo inteiro, então você passa por processos constantes de evolução. Você percebe sua melhora com o passar do tempo, é nítida. Fato que ele acredita na gente mais do que a gente mesmo. E, minha gente, se vocês soubessem o quanto isso nos dá um gás extra!!!! É um fator diferencial para quem faz preparação física na praia, eu diria.

E o melhor de tudo é que não existe competição no grupo que eu participo. É um motivando o outro, incentivando, chamando. Cada um dentro de suas possibilidades e limitações, vamos evoluindo. Sempre acreditei na vida no ditado que diz que gente boa se atrai. E no grupo de Igor é isso que eu vejo. E se você também despertou a vontade de participar, já é sinal de que sua energia também é boa, é só vir com a gente.

preparação física na praia | foto: conversa de meninaAula experimental + contatos

Combinei com meu instrutor de oferecer uma aula experimental gratuita de preparação física na areia a quem tiver curiosidade de conhecer o treino de perto, a quem se interessar em saber como é, testar. É uma forma de conhecer a atividade, de praticar e entender o que eu estou tentando passar nesse post, mas que é difícil de resumir em palavras.

Só sentindo o clima, só sentindo a energia, só sentindo os efeitos do treinamento, só sentindo as mudanças no corpo. Então, se você é de Salvador e tem interesse em conhecer a preparação física na areia, manda uma mensagem. Pode ser para mim ou entra em contato diretamente com Igor, para agendar o dia. E depois vocês me contam o que acharam, tá?

Seguem os contatos dele:
Tel: 71 99919-7110 (whatsapp)
Instagram: @igoralissonqf1

Leia Mais

Nas Unhas: Joia das Águas (Risquè)

Sim, eu sou apaixonada por esmaltes nudes. Acho lindos, elegantes, práticos, combinam com qulquer coisa, duram bastante etc. E o amor é tanto que eu não posso ver um nude na prateleira, que já dou aquela paquerada básica, já chamo de meu amor e já jogo na cestinha! É um problema!!! 🙂 🙂 🙂 Especialmente se tiver a cor do Joia das Águas, da Risquè. Aí que eu gamo mesmo!!! Acho linda essa tonalidade! E tem uma coisa bacana, que mesmo quando começa a descascar, sempre fica bem disfarçado porque a cor é clara. Eu junto aos nudes os transparentes, é muito amor! Muito mesmo! Sem fim! Vocês gostam desse estilo? Preferem que tom de esmalte? Me contem!

Nas Unhas: Joia das Águas (Risquè) | foto: conversa de menina

Nas Unhas: Joia das Águas (Risquè) | foto: conversa de menina

Leia Mais

Dieta: como sobrevivi ao fim de ano, viagens, festas e afins

trilha dieta | foto: conversa de meninaOi, meu povo! Olha e de volta com os posts sobre a dieta!!!! Continuo firme e forte, viu??? E vocês, estão no foco também? Vamos lá, hein? Eu resolvi escrever esse post depois de muitas perguntas sobre como sobrevivi às festas de fim de ano, às viagens que postei e afins… Demorei, mas aqui estou pra contar a vocês minha experiência com alguns meses longe das consultas com minha nutri, entre festas de fim de ano, viagens, demandas pessoais e afins.

Passei uns quatro meses sem ir na consulta com minha nutri, entre dezembro e abril. Não foi nada premeditado, foi uma série de fatores, aquela bola de neve que às vezes toma conta da vida da gente. Viajei no final de ano, passei quase um mês fora de Salvador, depois viajei de novo no Carnaval, aí tive um problema de saúde na família que demandou muito tempo… Ou seja, precisei sumir.

E como administrar a dieta em todo esse período? Foi tenso. Complicado. Mas quem disse que seria fácil, não é? Pois bem. O que aconteceu foi que passei o final de ano em um local com uma estrutura muito precária para quem tem uma alimentação mais controlada. Sabem o que aconteceu? É inacreditável, mas é real!

Os comerciantes locais não se prepararam para a demanda de gente que estaria por lá no período, daí que as frutas e verduras acabaram nos mercados. Isso mesmo. Para adquirir frutas e verduras, era preciso se dirigir à cidade vizinha. Tudo bem, não fosse o fato de meu carro ter dado problema na bateria e eu ter ficado sem poder me locomover até meu cunhado conseguir um kit pra fazer a famosa “chupeta” e levar meu carro para fazer a troca da bateria.

Imprevistos acontecem. Nem sempre conseguimos manter a rotina como deveríamos ou queríamos. Tive de improvisar, substituindo alimentos por outros que estavam na dieta em outros horários. Não fugi da dieta, mas não consegui seguir meu planejamento alimentar como deveria. De volta a Salvador, um novo imprevisto. A viagem que eu sempre quis fazer, para o vale do Pati, caiu no meu colo. Meu amigo é guia de turismo na Chapada e me convidou para me juntar a um grupo que faria o percurso durante o Carnaval. Ocorre que o convite veio praticamente às vésperas da viagem, não tive tempo de organizar nadica de nada em relação à alimentação. No dia seguinte estava embarcando para fazer uma das trilhas mais maravilhosas de minha vida.

dieta trilha | foto: conversa de meninaComo não tive tempo de me planejar dentro do contexto dessa viagem, tive de aceitar  que já havia sido combinado em relação à alimentação. Ficaríamos acampados, usaríamos cozinha coletiva e estávamos em grupo. E eu havia caído de paraquedas. A galera já havia feito as compras, não tinha ninguém com um estilo de alimentação como o meu. Resultado, tive de embarcar na alimentação da galera.

O que isso significa? Comi arroz, macarrão, fritura, pão, tudo o que já não fazia parte de minha rotina dieta trilha | foto: conversa de meninaalimentar. Cheguei inclusive a passar mão em um dia de trilha, em decorrência da alimentação.  Depois que você adota hábitos alimentares mais saudáveis, voltar a comer alimentos nocivos trazem consequências ruins. No meu caso, vômito e diarreia! Foi horrível!

Mas eu não podia deixar de aproveitar essa oportunidade. Era uma viagem que há muito tempo eu estava sonhando em fazer (falarei dela em um post específico). Aceitei as dificuldades e decidi enfrentá-las. Por sorte, como a atividade física era intensa e constante, acabei fazendo uma compensação entre a ingestão e o gasto calóricos. nessa viagem, foram sete dias fora de foco, comendo mal e o que aparecia.

Quando conversei com Camila Avelar (minha nutri) sobre o que havia acontecido, ela me deu várias dicas de como fazer a programação alimentar nesses casos. E numa próxima viagem, certamente farei várias coisas diferentes. Mas não me arrependo, foi tudo maravilhoso e faria de novo sem culpa!

Por fim, de volta a Salvador, me deparei com um problema de saúde familiar, envolvendo idas e dormidas em hospital, outra coisa que te tira completamente da rotina alimentar. Fora que mexe demais com o nosso emocional, e a comida vira a última coisa com o que você se preocupa. Não que eu comi todas as besteiras do universo, não. Não fugi da dieta, o que eu não consegui cumprir foram os horários e os alimentos certos nos horários certos. Tudo virou uma grande bagunça, com horários muito loucos.

dieta trilha | foto: conversa de meninaResumindo, foram quatro meses muito loucos, tentando administrar lazer, contratempo e preocupações. E tentando manter um mínimo possível de rotina alimentar nessa bagunça toda. Mas até que não me saí muito mal, porque apesar disso tudo, ao retornar à consulta com Camila, estava com um peso um pouco menor. Não foi uma redução significativa, perdi apenas 200g. Mas para quem passou por tudo isso, ainda conseguir perder um pouco de peso foi uma vitória e tanto. E de tudo a gente sempre tira um grande aprendizado. No meu caso, entendi que é importante tentar manter a organização da rotina alimentar o máximo possível, para evitar passar mal, como aconteceu comigo. E aprendi também que imprevistos acontecem, que situações adversas acontecem, mas que não podemos desanimar nem desistir. Que siga o fluxo!

———————————————-
Acompanhe minha dieta

>>A primeira consulta com a nutricionista
>>Dieta 2: atendimento e primeira semana
>>Dieta: como foi o meu primeiro mês
>>Dieta: Meu primeiro mês – Resultados
>>Dieta: antes e depois – dois meses
>>Dieta: mudanças em minha rotina – parte 1
>>Dieta em foco: resultado dos novos exame
>>Dieta: antes e depois – três meses

———————————————-

nutricionista camila avelar | foto: conversa de meninaContatos de Camila Avelar

Sou acompanhada pela nutricionista Camila Avelar. Como muita gente sempre pede os contatos dela, estou sempre deixando esse parágrafo padrão com os contatos no final de cada post que falo de minha dieta, pra facilitar.

Ela atende na Rua Ewerton Visgo, n° 290, Edf. Boulevard Side Empresarial, sala 806, Caminho das Árvores (o prédio fica naquela rua atrás do Shopping Sumaré, ao lado da agência da Caixa Econômica Federal).O telefone de contato é o (71) 3483-4636 | 99227-9007 (whatsapp).

Leia Mais

Krav maga: meu primeiro exame de faixa

exame de faixa krav maga | foto: conversa de meninaQuem me acompanha por aqui sabe que eu pratico krav maga na Academia Haganá há alguns meses, inclusive já escrevi posts sobre isso (tem os links no meio desse texto). E pela primeira vez na vida passei por um exame de faixa. Quem faz luta que possui níveis de graduação sabe do que estou falando. Dá um misto de ansiedade e de expectativa. Cheguei ao local cedo.

Fiquei observando os colegas que também fariam exame, uns treinavam comigo, outros eram de outras academias. Imagino que havia cerca de cem pessoas ali. Engraçado como cada um reage diferente… Alguns batiam papo tranquilamente, outros demonstravam um pouco de nervosismo, havia ainda aqueles que preferiam revisar os golpes. Eu estava no grupo dos que batiam papo tranquilamente (mas que no fundo guardava um pouco de ansiedade).

====================================================
Leia também:
>>Krav Maga: como a arte da defesa pessoal pode mudar a sua vida
>>Krav Maga para mulheres
>>Meu primeiro contato com o Krav Maga
====================================================

exame de faixa krav maga | foto: conversa de meninaExiste toda uma ritualística no exame de faixa. É fechado para o público externo, ali ficamos diante apenas dos instrutores e do mestre Kobi, que trouxe o krav maga para a América Latina (leia sobre a história do krav maga). Como meu nome começa com a letra A, fiquei na primeira fila. Para ser mais precisa, fui a terceira. Mas quando coloquei o pé no tatame, me veio uma onda intensa de serenidade. Eu tinha consciência de que havia treinado exaustivamente nos últimos meses. E de que havia treinado sob a supervisão de sem dúvida alguma um dos melhores instrutores do País, Roque Jorge, um exemplo de força, disciplina e determinação. Ou seja, não tinha como dar errado! Se tem um ditado que é certo nessa vida é que todo esforço traz sua recompensa. Se você quer alguma coisa, batalhe. Só não vence quem desiste. Persistir é o segredo.

O exame de faixa

A parte física foi puxada, mas foi de boa para mim. Afinal, eu treino muito. Estou bem, condicionamento físico em dia. Deu pra suar bastante, exige muito. Mas eu estava pronta para aquele exame, tanto física quanto psicologicamente. Na hora da parte técnica, tentei me manter concentrada, lembrar das orientações de Roque durante os treinos e realizar os movimentos dando o máximo de mim naquele momento. Não olhei o que os colegas estavam fazendo. Estava confiante. Meu instrutor é o cara. Depois do exame, vieram aquelas sensações maravilhosas de orgulho e de privilégio de tê-lo como mestre. Roque treina seus alunos para serem os melhores dentro de suas possibilidades, para superarem suas limitações. Ele nos treina para nos deixar seguros, é aquele cara que não desiste do aluno. Ele corrige, insiste, repete… isso até que a gente dê o máximo. E isso traz uma autoconfiança muito boa. Traz determinação.

exame de faixa krav maga | foto: conversa de meninaQuando eu terminei o exame, antes mesmo de ter recebido o resultado, eu sabia que tinha ido bem. Eu tinha certeza de que tinha ido bem. Não era só a percepção de que eu iria passar e conquistar a faixa amarela. Era uma aura de que eu tinha dado o meu melhor. E isso para mim era o suficiente. Logo depois que decidi entrar no krav maga, tive uma lesão séria no ombro esquerdo, que acabou me afastando das atividades físicas por muitos meses. Quando voltei ao tatame, tive de começar do zero e aceitei o desafio de encarar logo o primeiro exame de faixa que apareceu. Esse resultado pra mim é motivo de muito orgulho. Superei uma lesão, voltei aos treinos, encarei o exame de faixa… E agora é um novo desafio, treinar mais forte ainda.

A cerimônia de entrega de faixa do krav maga

entrega de faixa krav maga | foto: conversa de meninaEsse é o nosso momento. Depois de deixarmos nossos instrutores orgulhosos do trabalho que fizeram no dia do exame, a cerimônia da entrega de faixas é aquele momento em que a gente simplesmente relaxa e aproveita. Em que nos sentimos orgulhosos de nós mesmos, em que bate aquela realização de termos feito um bom trabalho. Ali temos a certeza de que estamos evoluindo, de que subimos mais um degrau na escada dos desafios que nos propomos a encarar. Ali estamos nós, nossos instrutores, os parceiros de treinos, todos numa vibe tão gostosa e numa sintonia tão massa, que nem dá para explicar.

Graduação no krav maga

Para mim, a graduação é o momento em que você decide que quer realmente levar aquela prática para a sua vida. Decidir passar pela graduação é uma decisão que vai além de mudar de cor de faixa. É uma decisão de continuidade, é o momento em que você resolve abraçar aquela arte, se dedicar a ela. É quando você escolhe progredir, avançar, desenvolver, melhorar. Toda rotina de treino é dura e intensa. E quando eu me proponho a fazer alguma coisa, quem me conhece já sabe, eu quero fazer o melhor. Eu me cobro, eu exijo de mim, eu me dedico. Com essa vida louca que a gente leva hoje em dia, nem sempre é possível manter 100% da rotina em dia, mas dentro do que é viável, eu exijo 100% de mim.

exame de faixa krav maga | foto: conversa de menina

E no krav maga não tem sido diferente. Tenho feito o meu melhor, dentro do que é possível. Então, que venham os novos aprendizados e treinos. Que venham os novos degraus, porque eu quero subir todos!

Leia Mais

13 Reasons Why: um olhar pessoal sobre a série

Assisti a 13 Reasons Why em uma sentada. Um episódio atrás do outro, até completar os treze. Eu não tinha Netflix, minha amiga e parceira aqui no blog compartilhou seu acesso comigo, e essa foi a primeira série a que eu assisti. Ouvi coisas aleatórias sobre 13 Reasons Why, muitos comentários divergentes. Me interessou o fato de a série movimentar tanto as redes sociais, de perceber um certo burburinho em torno dela, sempre rodeado de uma dose de polêmica. Muita gente defendendo e tantas outras criticando. Foi essa a razão que me fez optar por começar minha experiência na Netflix com 13 Reasons Why. E que me fez começar a escrever esse texto exatamente no momento em que terminei de assistir o último episódio.

13 reasons why

Sem pretensão

Não tenho a intenção aqui de escrever uma resenha ou um texto com fundamentos críticos a respeito da série. O que pretendo é compartilhar o meu olhar pessoal, despido de qualquer conhecimento técnico sobre análise fílmica. O meu objetivo é dividir angústias, questionamentos, suposições. Quero mesmo é bater um papo, conversar, falar do que me veio à mente. Para quem não assistiu à série, 13 Reasons Why fala sobre o suicídio. Uma estudante corta os próprios pulsos, mas antes disso grava treze fitas cassete em que explica os motivos que a levaram a cometer o suicídio. Nas fitas, ela aponta as pessoas que teriam influenciado diretamente essa decisão de tirar a própria vida. Na série, vamos acompanhando justamente o desenrolar dessas fitas.

13 reasons why

Escancarando

Essa é a primeira vez que vejo um produto televisivo tratar de uma maneira tão direta e aberta sobre o suicídio. A série é adaptada de um livro homônimo lançado em 2007. E o que me fez ter vontade de escrever esse texto é um ponto bem crucial de tudo o que envolve o ser humano. As relações interpessoais não têm a ver apenas com o que cada um fala ou faz. Têm muito a ver também com a forma como o outro recebe e digere aquilo que a gente fala ou faz. Cada pessoa processa atitudes e palavras de uma forma bem particular, porque isso mexe com a história de vida de cada um, com experiências passadas, com o lado interior de cada indivíduo. Mexe com nossa forma de ver o mundo.

Existem atitudes e atitudes. Existem aquelas que são de antemão socialmente ou moralmente inaceitáveis e há aquelas que, mesmo reprováveis, poderão ser compreensíveis a depender de quem julga a tal atitude. Mas é indiscutível o fato de que o que está dentro de nós e como nos sentimos com as atitudes dos outros muitas vezes é um grande mistério. As pessoas são diferentes. Algumas conseguem lidar com situações adversas com tranquilidade e força. Outras simplesmente não conseguem lidar. E não existe a forma certa ou errada de ser. As pessoas são diferentes, apenas isso. Ponto.

13 reasons why

Mais altruísmo

O que nós precisamos, na verdade, é olhar menos para nossos próprios umbigos e ser mais sensíveis com o outro. O que nós precisamos é nos colocar no lugar do outro antes de agir. É difícil conseguir capturar claramente o que se passa dentro de uma pessoa. Mas se a gente tem cuidado com nossas atitudes e palavras, já é meio caminho para evitar dores alheias desnecessárias. É importante olhar mais para o outro, tentar percebê-lo, respeitar suas limitações. Precisamos nos tornar menos egocêntricos, menos individualistas. Entender que pessoas diferentes possuem necessidades, personalidades e gostos diferentes. Que nem tudo o que nos faz bem faz bem ao outro. Não é o fato de sermos seres racionais que nos torna seres humanos. Precisamos disso, mais humanidade.

13 reasons why

13 reasons why fala mais que suicídio

Não se trata só de suicídio. A série fala também de depressão, de bullying, de homossexualidade, de violência sexual, de racismo. E tudo isso enquadrado numa época em que ainda estamos em formação intelectualmente, numa época delicada que é a adolescência, quando estamos cheios de dúvidas, quando fazemos milhões de questionamentos e tentamos ser aceitos por alguma turma. A adolescência é uma fase complicada por si só. E é uma fase em que convivemos a maior parte do tempo com pessoas que estão passando pelos mesmos dilemas e dúvidas que a gente. Que ainda não possuem maturidade suficiente para avaliar certas situações sem orientação.

Conscientização

Por isso que a educação e a conscientização são fundamentais. Por isso que é importante conversar sobre essas questões, debatê-las incansavelmente. Questões polêmicas precisam estar na pauta do dia diariamente. No noticiário, nas escolas, nas universidades, nos ambientes de trabalho. Porque não há como cobrar autoeducação nem autoconscientização de pessoas que sequer sabem o que é isso por pura imaturidade. Adultos bem resolvidos e sensíveis ao outro nascem de adolescentes bem orientados e educados.

13 reasons why

Eu não tenho a intenção aqui de dizer se 13 Reasons Why é uma série boa ou ruim. O que posso dizer é: assista e tire suas próprias conclusões. E tente ir além do que uma crítica cinematográfica é capaz de alcançar, ultrapasse a barreira dos critérios técnicos e da mera opinião. Simplesmente sinta a série. Coloque um olhar mais humano sobre o que acontece ali, sobre o que está sendo discutido, sobre o mecanismo das relações interpessoais. A gente não consegue caminhar só o tempo inteiro. Em diversos momentos da vida, precisamos de uma mão, um braço, um ombro, um apoio.Vamos então cuidar desse outro, olhar pra ele com cuidado, amor, carinho e atenção. Cuidando do outro a gente estará cuidando da gente. E vice-versa.

Leia Mais

De Olho na Saúde: a bicicleta e seus benefícios

Bicicleta há muito tempo deixou de ser apenas lazer para virar cultura. Tanto pelos benefícios à saúde quanto pela questão de mobilidade, pedalar demonstra atitude positiva diante da vida e com o planeta. Adotar a ‘magrela’ como meio de transporte, além de diminuir a emissão de gases poluentes na atmosfera e desobstruir o trânsito caótico das cidades, permite fugir do terror do século XXI: o sedentarismo. Mesmo quem não tem tempo para ir à academia, só de deslocar-se de bicicleta, já preenche a cota diária de atividade física recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Pesquisas mostram que uma maior quantidade de ciclistas nas ruas contribui para tornar as cidades mais seguras e amigáveis até para os pedestres, reduzindo as ocorrências de atropelamento. Ao menos essa é a conclusão de um estudo europeu inspirado na realidade de locais como Copenhage (Dinamarca) e Amsterdã (Holanda), onde, respectivamente, 35% e 45% dos deslocamentos diários são feitos de bicicleta.

O Brasil ainda está longe dessa realidade e fatores como o medo de assaltos, por exemplo, impede uma maior adesão ao ciclismo. Mas, aos poucos, essa ideia vem mudando no país, até porque quem é adepto da prática, cobra mais do poder público a construção de ciclovias e uma infraestrutura adequada. Empresas têm investido em vestiários e bicicletários para funcionários que vão trabalhar pedalando. E, campanhas buscam criar maior consciência nos motoristas para respeitar os ciclistas.

Benefícios da bicicleta para a saúde

Para estimular quem pensa em adotar a bicicleta como transporte, eis as vantagens das pedaladas para o corpo:

>>Pernas fortes – O movimento das pedaladas trabalha e fortalece diversos músculos;

>>Coordenação motora – Para ficar estável sobre a magrela é preciso exercitar o equilíbrio, o que favorece a coordenação e a atenção;

>>Bike Zen – Pedalar relaxa, libera endorfina, acalma;

>>Cheio de ar – Pedalar é um exercício aeróbico e que beneficia o sistema cardio-respiratório e reduz risco de enfarto em até 50%;

>>Silhueta enxuta – Para quem quer emagrecer, ir de bike para o trabalho é uma boa ideia;

>>Xô, LDL! – Andar de bicicleta reduz o colesterol ruim (LDL) e aumenta o bom (HDL);

>>Santo remédio para as costas – Desde que observada a postura correta, com a espinha dorsal ereta, as pedaladas exercitam os músculos das vértebras dorsais, o que ajuda a blindar a coluna de transtornos.

Cuidados essenciais antes de subir na bike

>>Ajuste o selim, guidão, quadro, etc. ao seu tamanho. Bicicletas grandes ou pequenas demais para a altura do ciclista geram desconforto nas pedaladas e o corpo reclama;

>>Atenção contínua. Não use celular ou faça estripulias como ler um livro enquanto estiver pedalando;

>>Segurança. Use capacete;

>>Consciência. Observe as regras de trânsito e prefira andar nas ciclovia;

>>Não arrisque. Se vai mudar de direção, sinalize para os motoristas;

>>Acessórios. Se sua bike é seu meio de transporte e você anda com ela no trânsito, adote itens como espelho retrovisor e campainha, além da sinalização noturna obrigatória pelo Código de Trânsito.

*Fonte de pesquisa: Revista Saúde e Código de Trânsito

Leia Mais

Cronicamente (In)viável: as muitas faces da felicidade

Felicidade, tal qual o amor, não tem receita padrão. Dia desses me perguntaram se eu era uma pessoa feliz. Matutei na pergunta e, de cara, pensei em responder que felicidade é um conceito muito amplo e aberto para ser enquadrado nesse ou naquele modelo. Que pessoas com estilos de vida diferentes definem e vivem felicidades diferentes.

Quem perguntou se preocupa comigo, o que por si só, me deixa bastante feliz. Porque nesse caso específico, o interesse é genuíno. A pergunta veio de alguém que eu tenho certeza de que me ama e quer me ver de bem com a vida eternamente, embora isso seja utopia. Reagiria diferente se a pergunta viesse daquele tipo de pessoa que imagina a vida como um ranking e mede seu modelo de felicidade com o dos demais, acreditando-se superior. Mas nenhuma vida vale mais que outra, nenhuma escolha é melhor que outra!

Para esses tipos, não tenho paciência de explicar nada. Já para quem não tem preconceito imbuído na pergunta e só não entende muito bem como funciona ser feliz fora do padrão, para os de coração aberto, explico que: se pode ser feliz estando ou não em um relacionamento; ganhando milhares de reais ou só algumas centenas por mês; morando em arranha-céus ou no apartamento simples de dois quartos; vestindo 38 ou 50; no bar com a turma de amigos ou maratonando séries da Netflix; aos 20, aos 30 e aos 43 (minha idade)…

Felicidade vai e vem

Vale ter em mente que aquilo que nos faz bem é o que também nos trará essa tão sonhada felicidade. Mesmo que seja algo simples como ler um livro ou dormir até mais tarde no dia de folga. E entender que, o que me deixa feliz pode não ter o mesmo efeito em outra pessoa. Porque o estado de felicidade depende de vários fatores, como os valores que alguém cultiva, o que cada pessoa prioriza na vida (o trabalho, a família, o lazer…), o momento que cada um está vivendo, os perrengues que surgem no caminho para resolver, a maneira como se encara os problemas.

A grande tragédia da nossa sociedade é que as pessoas perderam a capacidade de sentir dor e por isso buscam anestesiar qualquer efeito adverso de uma contrariedade. Do hedonismo meio infantil e sem limites aos medicamentos tarja preta, qualquer coisa que entorpeça servirá para que a dor não lateje, não incomode, não atrapalhe o caminho para a felicidade suprema.

Mas é impossível conquistar a felicidade suprema! Em algum momento sentiremos tristeza, teremos algum aborrecimento, ficaremos estressados, precisaremos chorar rios inteiros. Faz parte da vida ter frustrações. Ninguém é 100% feliz ou otimista o tempo todo e quem finge que é, está cavando um poço fundo e perigoso. Alguma coisa sempre vai incomodar e é até importante que esses incômodos apareçam, porque nos fazem rever posturas, retraçar caminhos, nos ajudam a amadurecer.

Expectativas x felicidade

A gente sempre espera alguma coisa. Da vida, do destino, dos outros. Zerar completamente as expectativas e aceitar de bom grado aquilo que chega é um exercício demorado, penoso, requer um grau de desapego que nem todo mundo tem. Uma certa dose de expectativa, honestamente, eu até acho bom que a gente tenha. Porque é uma forma de estímulo para seguirmos em frente, traz uma dose benéfica de esperança.

O que não pode é elevar as expectativas a níveis impossíveis, fechando-se em exigências que não podem ser supridas. Porque daí a esperança dará lugar à amargura e acredito que amargurados não conseguem enxergar a felicidade, mesmo que ela esteja ao alcance do nariz.

Tem fases na vida que parece que o destino testa nossa paciência. Os religiosos dirão que parece que Deus testa nossa fé. Ou então, é porque nesse jogo cósmico do qual fazemos parte, as chances de algo dar certo ou dar errado são iguais. Ou ainda, porque temos uma capacidade absurda para sermos teimosos e insistirmos nas coisas que lá no fundo sabemos que não são boas para nós. E quando elas desandam, botamos a culpa nessa ‘entidade’ chamada destino, ou xingamos Murphy.

O grande jogo da vida

Tem gente que vive um dia de cada vez e improvisa de acordo com a situação. Outros precisam ter tudo esquematizado de forma tão obsessiva, que quando algo sai do trilho, é um deus nos aguda. Outros ainda, entregam a sorte nas mãos do acaso e confiam na “improbabilidade infinita”. Tem até os que sequer acreditam em sorte e acham que tudo é questão de trabalhar duro e merecer. E, por fim, há ainda os que vivem em eterna roleta russa com a vida, o que de certa forma, ao menos para mim, não é bacana.

A grande sacada é perceber que quanto maior for a nossa expectativa, maiores também as chances da frustração ocorrer. E daí que é preciso aos poucos, exercitar o cultivo da gratidão pelo que a vida nos dá. Mesmo quando aquilo que consideramos um presente, não seja grande coisa do ponto de vista alheio. O que vale é o que nós sentimos, não o que os outros querem que a gente sinta.

Acredito que se cada um tentar um exercício de empatia e, de vez em quando, se colocar nos lugares uns dos outros, a visão do que é felicidade vai se expandir bastante e revelar que ela tem muitas faces. E cada um vestirá aquela que lhe der mais conforto e paz de espírito.

Leia Mais

De Olho na Saúde: apneia obstrutiva do sono, riscos e cuidados

A apneia obstrutiva do sono, condição marcada por roncos e interrupções na passagem de ar enquanto dormimos, traz mais riscos à saúde do que se imagina. Novos estudos alertam que o problema pode causar diversos desequilíbrios, desde aumento do risco cardíaco até enfraquecimento dos ossos. A seguir, listamos alguns dos principais transtornos provocados pela apneia, bem como as formas mais comuns de tratamento atualmente:

Entenda o que é apneia do sono

O problema é caracterizado por interrupções temporárias na entrada de oxigênio no organismo. Enquanto dormimos, a respiração se interrompe. Nas pessoas que sofrem de apneia do sono, os músculos da boca e garganta ficam relaxados e despencam, bloqueando a faringe e impedindo a passagem do ar.

A pouca quantidade de oxigênio no organismo provoca o aperto de veias e artérias, elevando a pressão arterial. Além disso, quem tem apneia, acorda diversas vezes na noite e não entra no modo de repouso profundo. Uma pesquisa do Instituto do Sono de São Paulo demonstrou que nas condições agudas, 30% das pessoas adultas que sofrem de apneia do sono podem ter até 35 interrupções da respiração em uma única noite.

Os riscos para a saúde

*Uma filha de nervos – Pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA) mediram os níveis dos neurotransmissores responsáveis pelas emoções no cérebro dos apneicos. Perceberam a elevação nos níveis de glutamato. Em grandes quantidades, esse neurotransmissor eleva o estresse e oferece riscos para crises de ansiedade e depressão.

*Pressão nas alturas – Além de apertar os vasos, o HeartBeat Study, da Academia Americana de Medicina do Sono, mostrou que 58%  das hipertensos com apneia severa criam resistência aos medicamentos que controlam a pressão.

*Ossos quebradiços – Quem tem apneia tem mais chances de desenvolver osteoporose, a diminuição da densidade dos ossos que os torna frágeis e mais susceptíveis a fraturas.

*Fala mais alto! – A apneia do sono também eleva os riscos de perda da audição. Cientistas americanos acreditam que a doença afeta os vasos que irrigam a cóclea, órgão interno do ouvido que é responsável pela recepção dos sons.

*Sangue doce – Apneia também favorece o diabetes em pelo menos 30% dos casos.

Como tratar a apneia do sono

O primeiro passo para quem desconfia que sofre de apneia do sono é ir ao médico e realizar exames. Nos grandes centros urbanos existem ambulatórios onde é possível realizar procedimentos que demonstram o nível do problema. Os tratamentos disponíveis atualmente atendem desde os casos mais simples até os mais graves, conheça alguns:

*CPAP – É um aparelho indicado para quem sofre diversas paradas respiratórias ao longo da noite. A pessoa dorme com uma máscara que mantém as vias aéreas desobstruídas e com fluxo constante de ar.

*Dispositivos Orais e Nasais – Os primeiros, colocados na boca, como os aparelhos ortodônticos, seguram a língua e impedem que ela obstrua a laringe; os segundos, dilatam as narinas para melhorar a entrada de ar.

Exercícios de fonoaudiologia – A terapia com exercícios especializados ajuda a fortalecer os músculos orais e do pescoço, evitando que a musculatura flácida, ao deitar, pressiona a traqueia e impeça a passagem do ar.

*Cirurgia – Serve para corrigir más formações na faringe e laringe que contribuem para a apneia. Só um médico pode indicar quando é necessária.

Leia Mais

Relacionamento ou parceria? O que você está vivendo?

relacionamentoTer um relacionamento não é o mesmo que ter uma parceria. São duas coisas bem diferentes. Você até pode ter um relacionamento e uma parceria simultaneamente, mas tem muita gente aí ostentando relacionamento sem viver uma parceria de fato. Há quem prefira estar com alguém para dar uma resposta à sociedade, para dizer por aí que está comprometido, sem se preocupar com o que aquela relação representa em sua vida, se existe uma troca, se está feliz. Há quem aceite ficar com alguém só para não ficar só, porque não aprendeu a amar a própria companhia, porque não aprendeu que a pior solidão é estar com alguém de corpo, mas não estar de alma.

Sobre a solteirice

Existe toda uma teoria a respeito da solteirice. A sociedade julga, as pessoas julgam? É como se estar solteiro fosse um carimbo de qualquer coisa muito ruim. Ou ninguém te quer, ou você deve ser muito difícil de lidar, vira um coitado ou coitada. Mas ninguém pensa que você pode estar solteiro por opção, simplesmente porque não encontrou alguém que mereça você. Não encontrou alguém com quem valha a pena dividir uma vida e criar uma parceria.

Isso quando você mesmo não é seu próprio inquisidor. Porque, sim, são muitas as pessoas que acham que precisam ter alguém de qualquer jeito, que querem ter alguém, não importa que alguém seja esse. Acabam se submetendo a relações nocivas (já falamos sobre relações nocivas aqui), aceitando conviver diariamente com a dor, o sofrimento e a infelicidade só para não ficarem solteiros. Vendendo para a sociedade a imagem de uma relação saudável, quando por dentro você está adoecendo. estampando risos falsos, contando aos amigos e familiares versões de histórias a dois que na realidade você não vive. Triste isso.

Melhor liberdade

A melhor liberdade que você pode cultivar é a liberdade emocional! Não depender de ninguém para ser feliz, não entregar a responsabilidade por sua felicidade a outras mãos. Entender que você é um ser completo e não uma metade atrás de outra metade. Que você está em busca de outro ser completo, para que as suas completudes conjuguem juntas os verbos amar, somar, compartilhar, compreender, respeitar, valorizar, ceder e tantos outros verbos tão importantes na vida a dois.

Não é qualquer relacionamento que te cabe, que é seu número. Aceite isso que dói menos. E se não te cabe, doe! Se liberte, se dê a oportunidade de reorganizar sua casa interior para receber um novo integrante. Se permita ter a possibilidade de conhecer outro alguém, de tentar de novo. De tentar quantas vezes forem necessárias até que encontre uma pessoa que caiba direitinho na sua vida, na sua rotina, no seu jeito de viver e de ver o mundo. Não aceite menos do que isso. Não aceite uma relação sem parceria. Não vista o que não cabe em você. Você não merece.

Relacionamento ou parceria?

Ninguém nasceu pra ser infeliz. E permitir que sua infelicidade seja causada por alguma coisa sobre a qual você tem o poder de escolha e decisão é burrice. E a gente sempre sabe se aquela relação está nos fazendo bem ou mal! No fundinho da alma e do coração, a gente consegue fazer uma avaliação mais realista sobre a relação que estamos construindo a dois. E mais do que ninguém, a gente é quem mais sabe se está feliz ou infeliz dentro daquele relacionamento.

Relacionamento qualquer casal tem. Mas parceria, meus queridos, aí  já é outra história. Porque a parceria pressupõe doação, cessão, dá trabalho. Porque um parceiro pensa em sua felicidade também, não apenas na dele. Um parceiro valoriza as suas necessidades, não apenas as dele. Relação parceira é aquela em que o diálogo prevalece pelo bem da relação. Ela acontece quando vocês têm o entendimento de que se relacionar não é fácil e exige dedicação. Parceria precisa de entrega. Se você tem um parceiro, ele entende suas limitações, entende sua TPM, se esforça para abafar seus medos, para evitar novas dores.

relacionamentoUm relacionamento com parceria não é perfeito. Nenhum relacionamento vai ser. Mas quando existe parceria, quando existe amor, vocês se esforçam para fazer a relação dar certo diariamente. Você aprende a conviver com os defeitos (porque as qualidades são ainda maiores), você aprende a lidar com as falhas (porque os acertos são mais frequentes e constantes), você aprende a lidar com o outro (porque o outro te faz bem, te faz feliz), vocês amadurecem juntos, crescem juntos, lutam juntos em prol da relação.

Avalie. Ainda dá tempo

Se você hoje tem um relacionamento, avalie. Pare nesse exato momento e se pergunte se você tem ao seu lado um parceiro. Se a resposta for sim, abra um sorriso e agradeça. Se a resposta for não, não precisa abaixar a cabeça. Sorria também, por ter identificado isso nesse momento e por ter aberto uma janelinha em sua vida para dar uma velha e gostosa escapada. Se você não tem um parceiro e acabou de descobrir isso, respire fundo, assuma o controle de sua vida, se liberte e vá ser feliz. Nunca é tarde para recomeçar, especialmente se sua felicidade está em jogo. Não se conforme com um relacionamento. Não se acomode. Se não for parceiro, não vale a pena se relacionar.

Leia Mais