Primer facial da Impala

Primer facial Impala | foto: conversa de meninaNão é nenhuma novidade que a Impala lançou um primer facial. E eu também não adquiri ele recentemente, pelo contrário, ganhei em um preskit há bastante tempo. Mas acabei esquecendo dele na maletinha de makes, até que um belo dia me deu aquela vontade de testar. E hoje vim contar pra vocês.

A embalagem é bem bonitinha e tem um bico dosador que funciona super bem. O que a marca promete é acabamento aveludado e redução dos poros e linha de expressão, além de auxiliar na fixação da maquiagem.

Realmente, o primer da Impala tem um efeito aveludado maravilhoso. A pele fica uma delícia, sabe? Bem gostosinha de pegar. Mina pele é um pouco oleosa, e não senti que o problema piorou com o uso do primer. E pela consistência dele, imagino que seja bem bacana para quem tem pele seca também. Ele espalha bem e rende bastante. Um pump dá para usar em toda a face.

Primer facial Impala | foto: conversa de meninaO que achei do primer

Eu gostei bastante desse primer da Impala, porque ele facilita bastante a aplicação da base. E não deixou minha pele mais oleosa com o passar do tempo (mas também não segurou a oleosidade). Outra coisa, ele disfarça um pouquinho a aparência dos poros. Na imagem não ficou muito nítido, mas dá para perceber que ele dá uma aliviada. Não faz milagres, mas dá uma melhorada no aspecto dos poros. É algo discreto, mas sempre faz diferença. Nas linhas de expressão, no entanto, não senti diferença.

primer impala | foto: conversa de meninaO primer facial da Impala custa cerca de R$ 30, e dá pra encontrar facilmente pela internet. A embalagem possui 30ml, mas dura bastante. O produtinho não tem nível de protetor solar, então é importante usar um de sua preferência.

E então, meninas, já usaram? Me contem a opinião de vocês. E se vocês têm um primer queridinho, me contem nos comentários.

Beijocas!

Leia Mais

Relações nocivas: liberte-se do que não te faz bem

Todo mundo deve concordar que precisamos nos afastar das pessoas que não nos fazem bem. Acho que é unânime. Numa conversa informal, tenho quase que absoluta certeza de que as pessoas se posicionariam nesse sentido. Engraçado que na teoria é mais fácil, né? Falar sobre isso, aconselhar alguém, julgar, tudo é muito mais simples do que viver a situação em si e tentar pensar de forma “fria” sobre ela. Aliás, às vezes, o difícil mesmo é simplesmente se afastar de fato da pessoa que não nos faz bem. Eu diria que algumas relações nocivas exercem um poder sobre as pessoas tão grande, que sair delas é como escalar um abismo.

relações nocivasExistem algumas relações nocivas das quais sequer conseguimos nos libertar. E podemos exemplificar com uma relação profissional. Nesses casos é complicado chutar o pau da barraca. Nesses casos, somos obrigados a conviver e até a manter uma aproximação que sequer gostaríamos que existisse. Certa vez, li um texto falando dessas relações que nos fazem mal, e o autor orientava a, toda vez que aquela pessoa chegasse perto da gente, que a gente concentrasse todas as nossas energias em pensamentos positivos, em coisas boas, para barrar a energia negativa que estava vindo do outro lado. Tenho adotado isso e funciona bem!

relações nocivasO problema maior é quando nós podemos nos afastar daquela pessoa que nos faz mal, mas não conseguimos. Parece loucura, mas isso é vida real. Sim, nem sempre conseguimos nos livrar de relações nocivas, e sabe-se lá por que cargas d´água. Não consigo visualizar uma razão única que consiga explicar a dificuldade de se livrar destas relações. Claro, é óbvio que ninguém entra em um relacionamento para ser infeliz. Mas ficar preso a algo que nos faz mal pode sinalizar uma série de questões, que vão desde a baixa autoestima, até a insegurança, passando pela dependência emocional, pelo medo, pela falta de amor próprio. Isso só para exemplificar.

Fato é que no fundo, no fundo, as pessoas conseguem reconhecer uma relação que não é saudável. Elas não conseguem é se libertar. E o que fazer? Pois é. Se você não consegue resolver essa questão sozinha, pode pedir ajuda profissional. Ir a um psicólogo é uma opção. Dar início a uma terapia, tentar entender o que acontece com você e a razão de não conseguir sair de uma relação que não está te fazendo bem. Eu já fiz terapia, por cerca de um ano, e foi maravilhoso.Me ajudou muito a evoluir e compreender algumas situações por que passei, a forma que agi, enfim.

O que eu não gosto em relação à terapia é quando ela cria uma dependência, sabem? Quando a pessoa acaba se tornando dependente da terapia e não mais consegue solucionar seus dilemas pessoais sem ajuda, mesmo os mais simples. Acho que em algum momento a gente precisa encontrar nosso caminho e seguir. Voltar a enfrentar os problemas com a cara e a coragem. E só retomar uma terapia, se por acaso surgir uma nova situação que não conseguimos resolver sem ajuda.

relações nocivasClaro que nesse post eu não me refiro a relações baseadas em agressões e violência física. Nesses casos, o buraco é bem mais embaixo. Estou me referindo apenas às relações que não nos fazem bem, que nos fazem sofrer, que nos causam infelicidade, dor e tristeza, apesar de também ter lá seus momentos de felicidade e alegrias.

E, sim, relações assim existem e não são raras. Para quem nunca viveu algo do gênero chega a ser difícil conseguir compreender. Mas relações nocivas existem em abundância e podem minar a autoestima, destruir a vida de alguém. E se você conhece alguém que esteja passando por isso, que tal dar aquela forcinha, incentivando a pessoa a buscar ajuda e se libertar?

Comportamentos que indicam relações nocivas

Acenda o alerta se algum desses fatos estão acontecendo com você, você pode estar sendo vítima de uma relação nociva. Lembrando que são só alguns exemplos do que pode acontecer.

1.Ele faz comentários ofensivos em público, conta a familiares e amigos situações que te deixam constrangida, cria apelidos humilhantes ou que te causam desconforto.

2.Vive comparando você aos relacionamentos anteriores dele, sempre te colocando numa situação de inferioridade, criticando seus comportamentos e criando padrões que são impossíveis de ser alcançados.

3.Justifica tudo o que faz contigo em relacionamentos ou fatos vividos no passado. Não consegue dissociar o que viveu do que está vivendo e te faz de alvo para suas histerias, estresses e gritos.

4.Você vive tensa, angustiada, tem poucos momentos de felicidade ao lado dele.

5.Ele te xinga e te ofende. Além disso, te faz críticas desmedidas, tentando te diminuir ou te rebaixar.

6.Acumula os motivos das discussões e sempre traz tudo à tona em cada nova briguinha.

7.A energia dele é pesada e negativa. Quando ele se aproxima, você tem uma sensação ruim ou fica de alguma forma incomodada.

8.Você não consegue ser você mesma na relação e precisa ficar pensando o tempo inteiro como deveria agir para ele não se chatear.

9.A relação é baseada em crises exacerbadas de ciúmes e cobranças exageradas.

10.Você não está mais feliz dentro da relação.

Liberte-se e seja feliz

liberdadeEstamos nesse mundo pra ser feliz. E se não for pra fazer a gente feliz, não vale a pena permanecer em uma relação. Aprenda a se amar, a amar sua companhia, a se livrar de dependências emocionais. Você não precisa estar envolvida em uma relação apenas para dar uma resposta à sociedade sobre seu estado civil.

Aliás, você não precisa estar com alguém. Só esteja com alguém se for pra sorrir, se for pra ter prazer, pra dividir momentos alegres, pra criar uma parceria. Permaneça com alguém apenas se esse alguém consegue te transformar numa pessoa melhor, se consegue arrancar um riso fácil do seu rosto, se faz seu coração pulsar mais forte. Se for pra chorar pelos cantos e viver dias de angústia e dor, liberte-se. Se dê a chance de voltar a ser feliz de novo. A responsabilidade pela sua felicidade é só sua, retome ela pra você e vá ser feliz. Você merece!

Leia Mais

Maquiagem e Síndrome do Olho Seco

Maquiagem e Síndrome do Olho Seco nem sempre combinam. Em alguns casos, a aplicação incorreta de cosméticos e falhas na limpeza dos olhos após o uso podem agravar o problema. Ao falar sobre esse transtorno (relembre aqui) deixei para abordar a maquiagem em outro texto, de propósito, porque o assunto rende. Vamos a ele!

Quem tem Síndrome do Olho Seco precisa maneirar no ‘olhão’, mas pode caprichar nas sobrancelhas para levantar a expressão

Não posso usar sombra, delineador e máscara, porque meu caso é severo e meus olhos inflamam com facilidade. Mas, não quer dizer que ao abolir da rotina o ‘olhão preto’, desisti da maquiagem. Está aí uma coisa de que realmente gosto. Passei a privilegiar a preparação da pele, desde limpeza e hidratação, até aplicação de primer, base, corretivo , pó e blush. No dia a dia, uso BBs ou CC creams, que dão cobertura e uniformizam. Também gosto de batons interessantes, principalmente nos tons vermelho fechado e vinho.

Para levantar a expressão, cuido das sobrancelhas e uso iluminador no ossinho abaixo do arco. Os olhos, como diz o ditado, são a expressão da alma. Na falta das três camadas potentes de máscara ou do delineado gatinho, mantenho as pálpebras hidratadas, massageio, uso compressas para amenizar olheiras e inchaço. Truques bons – e produtos hipoalergênicos – para cuidar dessa região não faltam.

Antes de dormir, pigmentos de maquiagem devem ser removidos para evitar contaminação

Por que maquiagem não pode?

Nem todo mundo está proibido de usar, claro! Mais uma vez, aqui vale a regra de conversar com o oftalmo para ouvir as orientações do especialista. No entanto, é importante entender que maquiagem nos olhos é um corpo estranho. E para uma região que já está sensível devido ao ressecamento ocular, abusar de produtos piora o desconforto.

A regra número um é nunca usar cosméticos nos olhos que estejam fora da validade ou tenham sido expostos às contaminações do ambiente. Estojos de sombra devem ser guardados fechados e longe de umidade, pincéis precisam ser lavados. A outra regra importante é sempre remover a maquiagem. Cansaço não pode ser justificativa para dormir com os cílios pesados de máscara. Pedaços endurecidos do produto podem cair nos olhos e causar alergias.

Faxina geral

Os resíduos de máscara, delineador, glitter, pigmento, lápis, etc., se não forem retirados totalmente, entopem as glândulas que produzem a gordura que compõe a lágrima e evita a evaporação precoce. Com isso, além dos olhos secarem depressa, podem ocorrer as enjoadas inflamações. Já os cílios, blindam os olhos contra contaminações. Deixá-los grudentos de máscara, favorece a proliferação de bactérias e entope o folículo que faz os pelos crescerem.

Para deixar tudo limpo depois de  fazer sucesso com o ‘delineado arrasa-quarteirão’, vale apostar nos demaquilantes específicos para a área dos olhos e arrematar a faxina com shampoo infantil neutro.

Mulheres sofrem mais

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Síndrome do Olho Seco atinge mais às mulheres, por questões hormonais que afetam a produção e a qualidade das lágrimas. Entre o público feminino, 10% das afetadas estão na faixa dos 50 anos, período da menopausa.

A maioria daquelas que desenvolvem a síndrome, porém, são as mais jovens. E um dos fatores desses índices altos é justamente o excesso de maquiagem e a higienização incorreta dos olhos.

No período do Outono-Inverno, que o ar fica mais frio e seco, o problema se agrava, o que requer cuidados extras.

Leia Mais

Cronicamente (In)viável: “Meu corpo me pertence. Tire suas mãos de mim”

O corpo feminino ainda é tratado como objeto coletivo

Meu corpo me pertence. Só eu posso autorizar que toquem nele. A frase parece óbvia, mas precisa ser repetida como um mantra. Para que nunca mais nos esqueçamos que quem manda nas nossas vontades somos nós. Para nunca mais termos receio de ser quem somos. Para não cairmos no conto do “é só uma brincadeira”. Porque não é brincadeira. É violência! Para nunca mais sentirmos aquele medo ou a vergonha que nos silencia.

O mantra vale para todo mundo, porque todas as pessoas, independente do gênero, da orientação sexual, do comprimento da roupa, da cor da pele ou do tamanho da conta bancária, têm direito à privacidade e ao respeito. Só que, na maioria esmagadora das situações, são os corpos femininos que são tratados como propriedade coletiva, como coisa pública, objeto sem valor. Então, é fundamental que as mulheres fortaleçam a certeza de que não são culpadas, não são responsáveis pelo descontrole, pela falta de caráter, pelo machismo alheio.

Também na maioria das vezes, a invasão do corpo feminino acontece com os homens avançando o sinal sem permissão para apalpar, violando direitos básicos. Então, vale sugerir que eles pratiquem outra frase: “não devo tocar o corpo de nenhuma mulher sem consentimento”. Talvez, se os homens repetirem à exaustão, absorvam de forma orgânica e consciente a certeza de que todas as mulheres têm direito ao respeito.

Vale também eles praticarem outras verdades, aqui listo algumas sugestões:

“Não sou o dono do corpo e nem da vontade de nenhuma mulher.”

“Nenhuma mulher é obrigada a transar comigo”.

“Nenhuma mulher é obrigada a corresponder meus sentimentos por ela”.

“As mulheres são tão livres quanto eu para escolherem ser e fazer o que quiserem”.

Objetificar é tirar das mulheres as decisões sobre o próprio corpo

Maldição antiga sobre o corpo feminino

A ideia de que os corpos femininos são propriedade masculina é antiga. Vem das origens do patriarcado, quando os homens perceberam que não bastava apenas ter poder sobre a terra, era preciso controlar também a descendência. Vem da ideia equivocada de que o corpo das mulheres é o depósito da semente masculina, que ela nada mais é do que um vaso, sem vontade própria, um ventre oco, que quando semeado, gera um herdeiro, o filho do homem. Assim, mulheres passaram séculos sendo vistas como propriedade, tal qual o gado, o arado, o celereiro de grãos. Só mais um dos itens listados no feudo como pertencentes ao ‘grande senhor’.

Romper com séculos desse equívoco, incentivado inclusive por muitas religiões, é bem difícil, ninguém nega isso. Mas, convenhamos, estamos no século XXI e não no XII. Já passou da hora dos homens admitirem a culpa de perpetuarem o machismo, que nada mais é do que um exercício sórdido de poder. A conversa de que o problema está na ‘educação que eu recebi’ já não convence diante de tantos avanços atuais. Diante da possibilidade real que todas as pessoas têm hoje, graças ao acesso ilimitado a informação, de desconstruir seus preconceitos.

Apenas melhorem, rapazes, parem de inverter a equação. E, uma vez confrontados com seus erros, parem de se colocar na defensiva e culpar seus bisavôs pelos discursos e atitudes que vocês reproduzem por conveniência e por apego aos privilégios.

Ao abusarem dos nossos corpos, a intenção também é quebrar nossos espíritos

O xis da questão

É importante parar de apontar o dedo para as mulheres que reproduzem o discurso machista. Toda mulher é vítima do machismo, mesmo quando ela dissemina mensagens e comportamentos machistas. O que acontece é que toda vez que homens são confrontados com seus erros e a forma perversa e assassina de tratar o feminino, aparece alguém para bradar: ‘mas também existe mulher machista’.

Não existe! Existem é mulheres que não conseguem enxergar a própria opressão. Ou, mesmo quando a enxergam, agem como carcereiras de outras mulheres, repassam a opressão sofrida para as irmãs. E não adianta xingar essas mulheres, é preciso dar a elas os mecanismos que tornem possível que enxerguem com clareza. É um processo de aprendizado e de descoberta.

Esse processo de educação feminina, que para umas acontece mais rápido e para outras mais devagar, não diminui em nada a responsabilidade e a culpa dos homens. Vamos olhar para o lugar certo. Ao invés de tentar encontrar justificativas para culpabilizar as vítimas pelos abusos que elas sofrem; ou de culpar outras mulheres pela manutenção do machismo, vamos olhar para o machismo que mata milhares de nós diariamente no mundo.

Vamos apontar nossos dedos para a direção certa: machismo é criação de homens. É abuso de poder de homens para com mulheres. É majoritariamente violência física, moral e psicológica de homens contra mulheres. É culturalmente disseminado, em primeiro lugar, entre os homens, de pai para filho. Para que não percam o poder absoluto que alguns tem a cara de pau de atribuir à vontade divina! Mesmo quando as mães colaboram, ao educar filhos e filhas de forma diferente, ajudando a manter a crença de que meninas nunca podem e meninos podem tudo, essa mãe não é a inventora e nem o sujeito ativo principal da estrutura machista da sociedade.

Autonomia sobre o próprio corpo não é uma concessão, mas nosso direito

Canalhas não passarão

Nem todo homem comete abuso, mata ou é do tipo machista mais torpe. Mas, ainda assim, os machistas light se beneficiam da estrutura desigual da nossa sociedade. O fato de serem homens, num mundo governado e pensado de e para homens, lhes confere privilégios. Felizmente, existem cada vez mais deles dispostos a exercitar a empatia, a ajudar no combate ao machismo, que como já foi dito muitas vezes, também os oprime.

Mesmo aqueles que inicialmente tentavam colocar-se como protagonistas da luta feminina por igualdade de direitos, falando em nome das mulheres, estão aos poucos entendendo que a participação mais importante deles é na educação dos seus pares. Homens podem ajudar a educar outros caras que ainda desrespeitam e abusam das minas.

Aos canalhas, aos abusivos, aos assassinos, cada vez mais eles perceberão que seu reinado acabou e o que existe agora são os estertores de quem já entendeu que o jogo virou. As mudanças sociais que vêm ocorrendo velozmente em todo o mundo, não têm mais volta. Nenhuma mulher vai voltar ao estágio de submissão, de medo e de vergonha. E juntas, cada vez mais, umas tirarão os grilhões das outras. As reações femininas para cada abuso masculino vão ser em tamanho e força igual à injúria sofrida, porque se tem um outro conceito que muitas de nós já absorveu como uma segunda camada super-protetora de nossos corpos violados, é o de que juntas somos sim muito mais fortes!

Leia Mais

Desafio beach cross: eu consegui vencer

beach cross 2017Sou movida por desafios. E falo tanto essa frase, que já virou clichê em minha vida. Mas é um clichê que eu sigo praticando. E hoje, meu assunto por aqui é mais um desafio vencido: a corrida beach cross 2017. Foram 5,5km de corrida na areia, no Jardim de Alah. Vocês me veem nas redes sociais, postando fotos de treino na praia e devem se perguntar por que cargas d´água essa prova seria um desafio para mim, que treino todo sábado na areia.

Pois bem, eu simplesmente não tenho fôlego! Tenho um desvio no septo que me atrapalha muito e me faz cansar demais em pouco tempo. Especialmente na areia. Por isso, todo o meu treino tinha um objetivo: chegar até o Aeroclube e voltar. Minha meta era apenas cumprir metade do percurso. Mas eu terminei! Sim, eu consegui!

Quem tem desvio no septo sabe do que estou falando. Chega uma hora em que o ar que entra pelo nariz já não é bastante, e a gente passa a respirar pela boca muito rapidamente. Respirando pela boca, parte do oxigênio é desviada no meio do caminho e não chega ao pulmão. Resultado: o fôlego se perde, a gente cansa muito mais rápido. É péssimo para quem quer evoluir na atividade física. Por isso, participar de uma prova de beach cross há algum tempo atrás era impensável para mim.

Mas daí que me bato com um instrutor maravilhoso, que conhece minhas limitações, mas me desafia o tempo inteiro, e que, mais importante que tudo, acredita em mim mais do que eu! O nome dele? Igor Alisson. A prova foi no domingo. No sábado tivemos treino, ele conversou muito sobre a prova de domingo.

No treino da véspera

Éramos um grupo. De todos os que treinam com ele aos sábados, umas oito pessoas, incluindo eu, decidiram encarar o desafio de fazer a prova. Eu era a única que não tinha o objetivo de completar os 5,5km. Mas na véspera, após ele passar todas as instruções necessárias para que realizássemos a prova, eu cheguei perto dele e perguntei sobre minha prova. Ele olhou pra mim e me disse: “Sua meta pessoal é até o Aeroclube, mas você está pronta para completar essa prova. Se você quiser, você consegue. Faça no seu ritmo, esqueça quem está a seu lado, quem está a sua frente, nem olhe para trás. Você está pronta para completar”. Quando cheguei domingo para a prova, já tinha internalizado a ideia de fazer a prova até o Aeroclube.

beach cross 2017Chegou a hora da largada do beach cross 2017. Coloquei o som no ouvido e parti. Quando dei o primeiro passo, pensei nas palavras de Igor na véspera. Não olhar para o lado, esquecer quem estava à minha frente ou atrás, fazer a minha prova, no meu ritmo. Me concentrei na música no ouvido e não olhei para a frente. Fiz a prova olhando para o chão o tempo inteiro, olhando cada passo que eu dava, concentrada na respiração e na música, no ritmo que eu achava que dava pra fazer, mais lenta que todos os meus amigos de treino, no meu ritmo.

Em um determinado momento, senti cansaço, as pernas pesaram, eu não sabia em que lugar exatamente estava, porque só olhava para o chão. Me deu vontade de parar de correr, de andar um pouco, mas só ouvia a voz de Igor me dizendo “você está preparada para completar. Você consegue”.

Decidi seguir e decidi olhar para a frente, queria saber se o Aeroclube já estava chegando. Foi quando me dei conta que já havia passado do Aeroclube há tempos. Eu já estava completando a primeira metade da prova. Agora era voltar. Já tinha batido minha meta, o que viesse dali pra frente era lucro. Peguei um copo com água no posto de hidratação e, sem parar de correr, joguei metade no pescoço, bebi uns goles e segui. Em vários momentos, me deu vontade de desistir. beach cross 2017Eu estava cansada, a respiração ofegante, as pernas estavam pesadas.

Mas sempre que me dava vontade de parar de correr e terminar a prova de beach cross andando eu lembrava que havia treinado para realizar aquilo ali e meu instrutor, que me acompanhou durante todo o processo, me disse que eu conseguia. Então, na minha cabeça, além da música que tocava no celular, só passava uma frase: eu consigo!

Os últimos 600m do beach cross

Foram sofridos, eu estava exausta, o sol incomodava, eu estava desidratando rápido, a água tinha acabado. Olhei para a frente de novo, ainda tinha um longo caminho, mas avistei Igor. Ele vinha em minha direção, com uma garrafa de água na mão. Quando chegou perto de mim, ele me disse “não pare, está terminando”. Eu estava esgotada. Bebi um pouco de água, tirei a camisa que estava encharcada de suor, entreguei a ele. E segui correndo. Os passos mais lentos, mas correndo.

Foram os 600m mais longos de minha vida. Até que acabou! Eu cheguei lá. Terminei a prova. Fiz 5,5km de corrida na areia. E não andei, corri todo o percurso. Foi desgastante, exaustivo, mas consegui. E fiquei tão feliz que vocês não imaginam. Foi uma realização. Comecei esse post dizendo que sou movida por desafios. E cada um que  supero, me deixa ainda mais empolgada para enfrentar o próximo.

beach crossPor que consegui terminar?

Mas eu só consegui terminar a prova por causa de Igor. Consegui terminar, porque tenho um treinador que acredita no meu potencial, que exige de mim aquilo que eu posso dar. Um treinador dedicado, minucioso, exigente. Um treinador observador e motivador. Que incentiva, que acredita, que usa as palavras certas nas horas certas. Que trabalha seu corpo e sua cabeça. Que faz uma releitura de nossas limitações e utiliza elas a nosso favor. Que entende e respeita as necessidades de nosso corpo. Ele sempre me diz que eu consigo evoluir porque eu sou disciplinada, porque eu sigo as orientações.

Sim eu sou disciplinada nos treinos e sigo as orientações, porque eu acredito e confio no profissional que me treina. Todo treino é uma parceria. O seu treinador e você precisam estar conectados com um objetivo. É uma relação de troca. E se ele for bom, os resultados vão aparecer. E o meu treinador é bom! Bom, não, ele é excepcional.

No final das contas, o que eu posso dizer é que independente do desafio a que você se propõe, o seu psicológico precisa trabalhar a seu favor. Além de trabalhar seu corpo, trabalhe sua mente. Ela vai ser determinante. Quanto a mim, que venham os próximos desafios. Sempre estarei pronta pra eles. E se eu não estiver pronta, vou ficar. Porque eu consigo, você consegue. A gente só precisa querer!

Leia Mais

Cronicamente (In)viável: Ciclos de morte e renascimento. Ou, O mito da fênix

“Na mudança, na metamorfose e no caos, a vida se completa”.

Acredito em ciclos. Que a vida é circular, mas não repete-se igual. A frase em destaque, acima, é de um amigo. Um dia, ele leu um dos meus desabafos sobre o eterno desejo de mudança e comentou com essa frase. Vira e mexe, a gente precisa se reinventar e recomeçar do zero. Não é um processo fácil. Requer, além de desapegar do que já não nos serve, a capacidade de se moldar às novas circunstâncias. Resiliência é só uma palavra da moda, dirão alguns. Mas quem cumpre um destino de fênix conhece seu significado nas entrelinhas.

Recordo de uma frase do romance Os versos satânicos, de Salman Rushdie: “Para renascer, é preciso morrer primeiro”. É dita pelo personagem Gibreel Farishta, um ator famoso que vive uma metamorfose após sobreviver a um desastre aéreo. Quantos de nós não enfrenta suas pequenas mortes cotidianas? E precisam juntar as próprias cinzas, aquecê-la e desse montinho disforme renascer?

A fênix era conhecida como Bennu entre os antigos egípcios

Os ciclos de renascimento e o mito da fênix

O mito da fênix, embora atribuído à cultura greco-romana, surgiu no antigo Egito. Depois, foi adotado pelos gregos e, mais tarde, pelos cristãos. Ana Lucia Santana, mestra em Teoria Literária pela Universidade de São Paulo (USP), explica em artigo (leia aqui) que entre os egípcios, a fênix estava associada ao culto de Rá, o deus-sol.

Algumas versões do mito dizem que a ave, que vivia séculos, pressentia a chegada da própria morte e construía uma pira funerária onde se auto-incendiava, renascendo das cinzas do antigo ser. Outra versão diz que a fênix se jogava nas chamas do altar de Rá, na cidade egípcia de Iunu, chamada pelos gregos de Heliópolis (Cidade do Sol).

Para os egípcios, a fênix era o símbolo da imortalidade, sendo ainda associada ao nascer e ao pôr do sol. Para os cristãos, na arte sacra, a ave representa a ressurreição de Cristo.

Os russos chamavam a ave mítica de Pássaro de Fogo

A fênix como avatar dos recomeços

Adotei a fênix como avatar pessoal há alguns anos. Justamente quando enfrentei um ciclo de morte e renascimento. Desde então, recorro ao arquétipo como metáfora pessoal, para lidar com as reviravoltas da vida, com as mudanças repentinas, com as alterações que exigem alta capacidade de adaptação.

Em sua versão mítica, e mais uma vez recorro a Ana Lucia, a fênix é considerada ícone de “esperança, persistência e transformação”. É benéfico para o espírito eleger um símbolo de tamanha força para suportar turbulências.

Nas situações complexas da vida, como recuperar-se de uma doença grave, superar a perda de uma pessoa muito querida ou enfrentar uma mudança de carreira na meia-idade, após, por exemplo, um desemprego involuntário, a ideia de que somos capazes de nos reerguer das quedas mais monumentais, realmente me inspira.

Autodescoberta no ritmo de cada um

Processos de autodescoberta também me estimulam. A cada vez que preciso me incendiar na fogueira da fênix, lembro primeiro de queimar todas aquelas coisas desnecessárias que vão se acumulando na alma, para depois abrir espaço para as verdadeiras transformações. E por mais que a literatura de autoajuda esteja recheada de dicas para “sair de zona de conforto” de forma pasteurizada e nem sempre realista, creio na capacidade humana de adaptar-se e de traçar novas rotas a cada golpe do destino ou empecilho no caminho.

Nenhum estudioso do mito da fênix sabe exatamente quanto tempo após virar cinzas, a ave renascia como um bebê “aberto a eterna novidade do mundo”, parafraseando verso famoso de Fernando Pessoa. Acredito que ela reabria os olhos para a vida de forma lenta e gradual, com profundidade e acúmulo da sabedoria de muitas vidas.

Toda mudança, para ter significado real, não pode ocorrer apenas para demonstrar aos outros “o quão bem sucedidos somos”, mas para nos revelar a beleza da nossa jornada em um universo em eterna transformação…

********

*Cronicamente (In)viável é uma série de reflexões sobre ser e estar no mundo, inspirada nas minhas vivências e naquilo que observo ao redor. A série tem irmã gêmea, em outro blog, chamada (Im)paciente Crônica. Quem sabe um dia, transformo as duas em livro…

Leia Mais

Saúde: Como viver com a Síndrome do Olho Seco

As lágrimas lubrificam os olhos e afastam os germes

A Síndrome do Olho Seco, também conhecida como Síndrome da Disfunção Lacrimal, me acompanha desde que sofri uma alergia grave a medicamentos anti-inflamatórios, durante um tratamento de tendinite, há alguns anos. Como sequela dos problemas acarretados pela alergia, passei a conviver com um arsenal de colírio e gel ocular lubrificantes, compressas de gaze e soro fisiológico; além de precisar de visitas regulares ao oftalmologista. É chato, mas dá para manter a qualidade de vida e a acuidade da visão, se os cuidados certos forem tomados. E a ideia deste texto é falar, justamente, destes cuidados.

Representação do Sistema Lacrimal

Entenda a Síndrome do Olho Seco

A Síndrome do Olho Seco, ou da Disfunção Lacrimal, como o nome já explica, é acarretada quando uma falha no organismo prejudica a formação das lágrimas. Nossas lágrimas são feitas de moléculas de água, gordura e muco. Esse composto serve para manter os olhos lubrificados e limpos, evitando contaminações por germes. A síndrome acontece quando a lágrima passa a ser fabricada com defeito, com excesso ou falta de gordura, o que faz com que evapore depressa e sem cumprir sua função de proteger o globo ocular.

Quem sofre com o problema, geralmente, sente muita ardência, coceira e uma desagradável sensação de que jogaram vidro moído ou areia nos seus olhos. Além disso, os olhos também ficam vermelhos e incham facilmente, como se você estivesse com uma conjuntivite. Se não for tratada e mantida sob controle – a doença não tem cura -, pode ainda causar problemas mais graves, como infecções por bactérias oportunistas e diminuição da acuidade visual.

O que causa o problema?

No meu caso, a Síndrome do Olho Seco foi consequência de uma alergia a um tipo específico de medicamento, anti-inflamatório, que estou terminantemente proibida de voltar a usar para o resto da vida. O problema me afetou porque eu tinha uma condição prévia de doença autoimune que foi negligenciada pelo ortopedista que me tratou da tendinite. O processo infeccioso derivado desse descuido do médico, levou ao desenvolvimento da síndrome.

Outros problemas que acarretam esse ressecamento severo do globo ocular são:

>>Blefarite: inflamação que ataca os cílios e forma uma caspa que bloqueia a glândula lacrimal;

>>Lesões: cistos, conjuntivites, cirurgias para correção de miopia ou blefaroplastia (plástica para levantar as pálpebras) podem afetar a fabricação de lágrimas;

>>Problemas hormonais: menopausa e uso de anticoncepcionais;

>>Medicamentos: antialérgicos, anti-inflamatórios, remédios para hipertensão e psicotrópicos (como aqueles para depressão, ansiedade, etc);

>>Doenças autoimunes: lúpus, Síndrome de Sjögren, Síndrome de Stevens-Johnson;

>>Uso excessivo de computadores, tablets, smartphones, TVs: quanto mais concentrados diante dessas telas, menos piscamos. Piscar é essencial para a produção de lágrimas.

Existem dezenas de colírios lubrificantes. Seu oftalmologista ajudará na melhor escolha, de acordo com a gravidade do problema

Como é que cuida?

Quem tem Síndrome do Olho Seco precisa visitar o oftalmologista de seis em seis meses, para monitorar o problema. Só o especialista pode indicar o tipo de tratamento mais adequado. Em alguns casos, um tampão é usado para bloquear o canal lacrimal, impedindo que a lágrima escoe rápido demais.  Só oftalmologistas podem aplicar tampões.

Mais cuidados essenciais:

>Higienização correta dos olhos, principalmente por quem tem tendência a desenvolver blefarite. Existem líquidos específicos nas farmácias, mas minha oftalmo me deu uma solução simples e barata: usar Shampoo Johnson neutro. Aquele amarelinho que as blogueiras amam para remover maquiagem dos cílios. Duas vezes por dia, de manhã cedo e à noite, com as mãos previamente bem lavadas, pingo duas gotinhas do shampoo na palma da mão, faço uma espuma e com um cotonete, passo delicadamente nos cílios. Depois, enxáguo e aplico compressas de gaze embebidas em soro fisiológico gelado. Dá um alívio imediato, principalmente de manhã cedo!

>Uso de colírios ao longo do dia. Existem de várias marcas. Seu oftalmologista saberá indicar o que melhor atenderá o grau de ressecamento nos seus olhos. Ele também dirá quantas vezes é preciso aplicar. Eu preciso de duas em duas horas.

>Gel lubrificante ocular antes de dormir. Aplico sempre uma gota em cada olho. Mais uma vez, existem inúmeras marcas nas farmácias e o oftalmo saberá orientar a mais adequada ao seu caso.

>Alimentação adequada também ajuda. Beber muita água é essencial, porque ela é o principal componente da lágrima. Vale ainda investir em alimentos ricos em Ômega-3, como peixes (atum, sardinha, salmão), oleaginosas e linhaça. Vitamina A também não pode ficar de fora do prato de quem tem Síndrome do Olho Seco. Já as frituras e o fast-food, cheios de gorduras saturadas, devem ser evitados, porque pioram o problema. Eu amo sanduíches, mas prefiro as versões sem fritura, com frango desfiado ou atum, um pouco de queijo, legumes e verduras.

Leia Mais

Ventosaterapia caseira: como faço e benefícios

O nome ventosaterapia ganhou os holofotes recentemente, quando o nadador Michael Phelps apareceu nas Olimpíadas do Rio de Janeiro com marcas redondas e arroxeadas pelo corpo. A técnica, no entanto, é bastante antiga na cultura oriental e muito utilizada para reduzir sintoma de dores, relaxar a musculatura, diminuir o estresse e até desintoxicar o organismo. São várias as finalidades da ventosaterapia. Eu já faço o tratamento há muitos anos, mas há pouco tempo decidi adquirir o meu próprio kit, para ficar independente e poder usar quando sentir necessidade.

Como funciona a ventosaterapia?

Copos redondos de vidro ou acrílico são aplicados no corpo, fazendo o efeito de uma ventosa, sugando a pele e parte do músculo. O resultado é a abertura dos poros e a melhora da circulação sanguínea e linfática. Alguns atletas fazem uso da técnica no pós-treino, por uma razão simples: o ácido lático dentro do músculo é o que provoca aquela dor muscular do pós-treino. A ventosaterapia promove o aumento do fluxo sanguíneo naquela região, permitindo a eliminação mais rápida do ácido lático.

Normalmente, a parte interna do copo é aquecida com fogo, para consumir o oxigênio ali alojado, facilitando a sucção e a sua aderência ao corpo. Hoje em dia, há aparelhos que já facilitam a retirada do ar de dentro dos copos, permitindo que a ventosaterapia seja aplicada mesmo sem o fogo. É o caso do kit que eu tenho, que possui um aparelhinho que suga o ar, criando o vácuo necessário para promover a sucção. O meu kit é de acrílico, bem prático e fácil de aplicar. Hoje em dia a gente encontra os kits com mais facilidade, na internet acha em vários sites.

ventosaterapia | foto: conversa de menina

Ação e sensação com a ventosaterapia

Eu não sinto dor, apenas um incômodo. Conheço pessoas que se queixam de dor, que acham que a terapia dói. Para mim não chega a ser uma dor, vai depender da sensibilidade de cada um. É importante manter a musculatura parada no momento em que as ventosas estiverem agindo. Se a pessoa se movimentar, pode acabar sentindo dores, inclusive depois de retirados os copos. É fundamental estar relaxado, deitado.ventosaterapia | foto: conversa de menina Vou dar um exemplo: ao tentar tirar as fotos com as ventosas aplicadas nas costas, acabei sentindo dor depois. Portanto, nada de estripulias durante a ação das ventosas.

Aliás, é a sucção que acaba deixando as famosas marcas vermelhas e arroxeadas, porque as ventosas estimulam a hemotopoiese, que é a formação, desenvolvimento e liberação de células sanguíneas no organismo. Assim, é feita uma vasodilatação local, forçando o sangue a circular na região e eliminando toxinas.

As manchas desaparecem com o passar dos dias. As marcas não me incomodam, não deixo de usar nenhum tipo de roupa por causa delas. Tem gente que não gosta. Pra mim é super tranquilo. Para mim, além dos benefícios terapêuticos, a ventosaterapia tem um efeito bem relaxante, costumo usar com muita frequência especialmente quando estou sentindo tensão muscular.

Indicações da ventosaterapia

Eu li muito sobre a ventosaterapia. Normalmente ela é aplicada para aliviar dores ou rigidez dos músculos, ansiedade, fadiga, enxaquecas e até com fins estéticos, para o combate de celulites, por exemplo. E não são apenas essas as indicações, elas servem para uma infinidade de outras coisas. São normalmente aplicadas por fisioterapeutas ou acupunturistas.

ventosaterapia | foto: conversa de menina

No meu caso – e por minha conta e risco – eu aplico as ventosas em casa mesmo. Eu não seria irresponsável de sair por aí incentivando a autoaplicação da ventosa. O que aconselho é que vocês busquem os profissionais adequados para isso. No meu caso, conversei muito com a acupunturista que fazia a ventosaterapia em mim e estudei bastante sobre a técnica. Com base nisso,  adquiri o kit e comecei a fazer a terapia em casa. Nas costas, minha sobrinha coloca os copos, eu indico exatamente onde quero que coloque. Nunca tive problemas, tenho apenas pontos positivos a falar sobre a aplicação caseira.

Essa é a minha experiência com a ventosaterapia. Se vocês quiserem perguntar alguma coisa que não mencionei no texto, é só deixar um comentário. E se você também faz uso da técnica, conte como tem sido a sua experiência! Vou adorar saber!

Beijocas!

Leia Mais

Delineador para Olhos Natura Aquarela

Faz tempo que não falo de make com vocês, e hoje vou falar de um produtinho que não falta na minha necessaire, mas que não é nenhuma novidade: o delineador para olhos da Natura Aquarela. Eita produtinho danado de bom. Ele tem um delineado bem firme, um tom de preto bem escuro e uma fixação e durabilidade maravilhosas! Sim, sim, meus amores. Embora ele não seja à prova d´água, ele dura bastante nos olhos!

Delineador para Olhos Natura Aquarela | foto: conversa de menina

E, para completar, o preço é bem em conta, custa R$ 29,90. Então, se você quer apostar num delineador bom, que tenha um preço acessível e um resultado marcante nos olhos, eu sugiro esse delineador da Natura, não tem como errar. Ele está disponível também nas cores bronze, marrom e azul. Eu só experimentei o preto, mas imagino que os outros também sejam bem bons!

Delineador com efeito fosco

Como vocês podem ver nas fotos, ele tem um efeito mate, não fica brilhoso. Tem a consistência líquida, mas seca super rápido e não borra. Em meu olho também não carimbou. Aliás, ele seca tão rapidinho que até esfumar fica difícil!

Essas fotos são bem antigas, mas aproveitei que tinha feito para falar do delineador, que uso até hoje!!!!

E se você já conhece, me conta o que acha dele! Será muito bom ler sua experiência também!

Leia Mais

Design de sobrancelha: como foi e o que achei

Pela primeira vez na vida fiz o design das sobrancelhas. Sim, acreditem que apenas aos 38 anos tomei coragem de fazer a sobrancelha com um profissional. Desde sempre, a única pessoa que eu deixo mexer nas minhas sobrancelhas é a minha cunhada. É ela quem tira os excessos dos pelinhos, fazendo o desenho que eu gosto. Isso porque sempre tive muuuuito medo de recorrer a um estranho e acabar ficando esquisito. E, minha gente, vamos considerar que sobrancelha feia enfeia a cara toda, né? kkkkkkkk É um risco. Eu tinha verdadeiro pavor, confesso.

Isso até me render às mãos da Deise. Sim, sim. Agendei um horário com ela lá na Esmalteria Nacional, no Shopping Itaigara, e lá fui eu, apavorada, ver no que ia dar e orando pra que eu não ficasse com a cara esquisita! Deise é um amor, super tranquila! Ela sempre explica o que vai fazendo, até consegui gravar um vídeo que postei no insta e no face do blog no dia do procedimento. Ela me explicou que primeira faz uma assepsia na região, para tirar todo e qualquer resíduo de maquiagem, podendo então avaliar a situação real da sobrancelha da pessoa.

Em seguida, Deise faz a marcação, respeitando o formato natural das sobrancelhas e o formato do rosto do indivíduo. Nessa etapa, conta com o auxílio de um lápis, para desenhar a sobrancelha. Depois disso, começa o processo de limpeza dos fios. Ela usa tanto a pinça, quanto a técnica de depilação com linha, chamada depilação egípcia ou depilação com fios. Ela é bem ágil, inclusive, o que achei ótimo, porque já falei aqui zilhões de vezes que não sou muito fã de passar muito tempo em salão. Foi tudo super rápido! Eu parei por aí, só fiz o design – por enquanto pelo menos! Vamos com calma, néam? Quem sabe na próxima vez tomo coragem para evoluir para a pintura?

Pintura e micropigmentação

Além do design, Deise também trabalha com a pintura e a micropigmentação, fica a gosto do freguês. A pintura é feita com tinta henna e é muito utilizada para corrigir pequenas falhas. A durabilidade é curta, de até mais ou menos uma semana, a depender do cuidado de cada pessoa. Já a micropigmentação é uma técnica mais invasiva, feita com agulha, responsável por introduzir o pigmento na primeira camada da pele. A durabilidade é maior, de oito meses a um ano.

Design de sobrancelha

E para quem só quer manter o design, retirando apenas os pelinhos, é preciso fazer as sobrancelhas a cada 15 ou 20 dias, no máximo, a depender do crescimento do pelo. É esse o prazo razoável para que seja possível manter o desenho, sem precisar desenhar de novo. Assim a gente consegue manter o visual mais bonito, porque, minha gente, sobrancelha faz toda a diferença, hein? E com relação àquele meu receio inicial, esqueçam! Eu amei o resultado, achei super lindo e natural o desenho, fiquei apaixonadinha pelo trabalho de Deise!

design de sobrancelha | foto: conversa de meninaComo já citei aqui, eu fiz o design de sobrancelhas com Deise. Ela atende em domicílio e lá na Esmalteria Nacional, no Shopping Itaigara. O telefone/whatsapp dela é o (71) 98884-0384. E qualquer dúvida, é só deixar um comentário!

Beijos, meus amores! Espero que tenham gostado do resultado também!

Leia Mais