O Bebê de Bridget Jones – Crítica do filme

000A pausa de seis anos dos trabalhos no cinema só fez bem a Renée Zellweger. Ela voltou aos holofotes em grande estilo, em O Bebê de Bridget Jones, segunda sequência de seu grande sucesso de 2001, O Diário de Bridget Jones. A atriz está simplesmente divina no papel de Bridget, a solteirona que descobre uma gravidez aos 43 anos e está em dúvida sobre a paternidade do bebê. A direção da produção é assinada por Sharon Maguire, também responsável pelo primeiro filme da série.

O roteiro de O Bebê de Bridget Jones traz a personagem em outro momento de vida, mas madura e segura: ela agora é produtora do jornal em que trabalha, está com o corpo esculpido e possui um círculo de amizades mais amplo. Durante uma viagem a um festival de música, conhece o charmoso Jack (Patrick Dempsey), com quem tem uma tórrida noite de amor. Dias depois, ao encontrar seu ex, o advogado Mark Darcy (Colin Firth), se rende a uma recaída. Basta para, ao receber a notícia da gravidez, encarar o dilema de não ter a menor ideia de quem é o pai de seu bebê.resenha bebê de bridget jones

O filme é leve, com diálogos bem construídos e muito, muito divertido. Eu diria, sem receio, que esta é uma das melhores comédias românticas dos últimos tempos. O mulherengo Daniel Cleaver (Hugh Grant) não integra o elenco desta continuação, mas faz uma “participação” especial. Nos Estados Unidos, o filme não foi bem recebido. Angariou míseros US$ 8,24 milhões no final de semana de estreia. Fora do país, no entanto, foi sucesso absoluto, liderando a bilheteria em mais de 20 países, arrecadando US$ 29 milhões.

O Bebê de Bridget Jones se iguala em qualidade ao filme de estreia da franquia. Eu o considero o melhor dos três filmes. Apenas a primeira sequência, Bridget Jones no Limite da Razão, de 2004, não teve tão boa receptividade, foi pouco criativo e monótono. Aliás, o terceiro filme não é adaptado de livro, vai tomar o caminho contrário. O roteiro é da escritora Helen Fielding, que prometeu transformar o filme em livro.

bebê de bridget jonesO roteiro aposta na versão da mulher moderna, independente, que deixa para ter filho mais tarde, que não espera o príncipe encantado e consegue administrar sozinha a gravidez, o trabalho e a vida pessoal. E, o mais importante, não apela a piadas sórdidas para arrancar gargalhadas.

Ficha técnica O Bebê de Bridget Jones

Gênero: Comédia romântica
Duração: 96 minutos
Direção: Sharon Maguire
Elenco: Renée Zellweger, Patrick Dempsey, Colin Firth, Emma Thompson
Roteiro: Helen Fielding, Emma Thompson e Dan Mazer
Distribuidor: Universal Pictures
Ano: 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *