Literatura de qualidade na rede

 

Quem, nos seus devaneios de infância, nunca sonhou em encontrar um manuscrito raro dentro de uma garrafa que veio dar na praia? A ideia de um acervo virtual que disponibiliza toda a rara e antiga produção da humanidade é bem parecida com esse sonho infantil
Quem, nos seus devaneios de infância, nunca sonhou em encontrar um manuscrito raro dentro de uma garrafa que veio dar na praia? A ideia de um acervo virtual que disponibiliza toda a rara e antiga produção da humanidade é bem parecida com esse sonho infantil

 

Boas novidades para amantes da literatura e pesquisadores em geral. Na última terça-feira, dia 21, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) lançou, em Paris, a Biblioteca Digital Mundial (World Digital Library – WDL). O objetivo é disponibilizar acervo raro como livros, manuscritos, filmes, ilustrações e fotos para estudiosos e curiosos. Até agora, já digitalizaram 1,4 mil documentos  de 32 bibliotecas em 19 países.

Segundo nota divulgada no Portal da Imprensa, o internauta poderá acessar os links com informações completas, fazer download e até converter as peças em PDF. A intenção é fazer com que o grande público tenha acesso às obras raras. O site está em sete idiomas, incluindo o português.

Para saber mais sobre o WDL, leia reportagem publicada na Folha On line.

Outra boa pedida é pesquisar no site Estante Virtual, que reúne sebos de diversos estados. A página, além de trazer dicas de livros que nem sempre são possíveis de encontrar em livrarias comuns, tem ainda uma boa sessão para que os internautas comentem as obras disponiveis que eles já leram. Assim, antes de comprar, você tem acesso a opinião de quem já leu. Muitas vezes, confiamos mais na opinião de pessoas que tem uma realidade mais parecida com a nossa e tem necessidades semelhantes, do que na opinião da crítica especializada. Embora o trabalho dos críticos mereça todo respeito.

Para terminar as dicas, uma reflexão de Eric Schmidt, da Google, enviada para mim por uma amiga, também jornalista e blogueira:

Ainda acredito que sentar e ler um livro é a melhor forma de aprender alguma coisa. Eu temo que estejamos perdendo isso. Se você pegar qualquer platéia de pessoas em educação, é importante que comecemos pela leitura”.

E é isso mesmo meninas e meninos, nada substitui um bom livro, nem toda tecnologia do mundo. No máximo, google, WDL, Estante Virtual e tantos outros sites vão facilitar a busca por documentos raros e informações, vão ampliar o nosso acesso a acervos que ficam muitas vezes trancados e ao alcance apenas de estudiosos, mas sempre, sempre mesmo que vocês tiverem a chance, leiam a obra impressa e visitem a biblioteca mais próxima da sua casa, lá tem coisas surpreendentes, aposto!

Vejam a entrevista completa de Eric Schmidt aqui neste link.

3 comentários em “Literatura de qualidade na rede

  1. Por uma literatura de qualidade,e isso implica a ação de se repassar bons livros
    para o aluno.E que este compreenda que livros de vampiros em nada acrescenta
    a sua formação.
    Waleska Frota-Autora de Circo-um olhar poetico.

  2. Oi Waleska,
    Discordo de você, porque está generalizando e generalizar nunca é bom. Drácula de Bram Stoker, por exemplo, é um clássico da literatura mundial de terror e bebe na fonte de mitos tão antigos quanto a humanidade. Os livros atuais de vampiro, como a saga crepúsculo, podem até não ser primores da elaboração literária, mas tem o mérito, tal qual a saga de Harry Potter, de fazer com que os jovens atuais leiam. Vi muitos adolescentes que começaram por crepúsculo se interessarem depois em ler Bram Stoker e dele passar para Edgar Allan Poe, para Mary Shelley (Frankestein) e dos clássicos do terror buscarem outros gêneros, descobrirem por exemplo, o maravilhoso Incidente em Antares, literatura fantástica brasileira, de autoria do Érico Veríssimo. O que acredito que seja uma atitude sábia de um educador não é banir crepúsculo das escolas ou qualificar negativamente de literatura boa x literatura ruim. O que os educadores precisam é perder o preconceito (no sentido mesmo de conceito prévio) e se permitirem ler o livro e extrair dele formas de estimular que os jovens que começam a saga de stephenie meyer desenvolvam o senso critico e o apuro literário, indo em busca de novas experiências. Propor, por exemplo, um diálogo entre esses vampiros modernos e os conde drácula clássico pode ser uma forma de incentivo e aquisição de novos conhecimentos. Abraços e obrigada por visitar nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *