Transtorno alimentar

Magreza de Stephanie Naumoska despertou a atenção de profissionais de saúde
Magreza de Stephanie Naumoska despertou a atenção de profissionais de saúde

A discussão sobre os transtornos alimentares voltou a estampar capas de revistas e jornais durante o concurso Miss Universo Austrália, realizado no dia 23 de abril. A aparição de uma das finalistas ao título, a modelo que representa Sydney, Stephanie Naumoska, fez surgir uma série de comentários de nutricionistas e médicos. Isso porque a jovem de 19 anos,  cuja altura é de 1,80m, pesa nada mais que 49kg.  O fato desencadeou reclamações de profissionais de saúde, trazendo uma grande polêmica ao concurso.

Em entrevista a jornais locais, segundo matéria publicada no G1, a nutricionista Melanie McGrice disparou: “Ela poderia ser categorizada como muito abaixo do peso e eu certamente faria uma avaliação em sua dieta para me certificar que ela não tem nenhum distúrbio alimentar. Ela precisa de exames de sangue, análise de dieta e assistência intensa”. Fato é que a notícia nos trouxe de volta a questão sobre os transtornos alimentares. E por esta razão, vamos tratar um pouco deles por aqui, e tentar esclarecer algumas questões básicas.

Para começar, é bom lembrar que o transtorno alimentar é uma perturbação no comportamento alimentar. É possível que os sintomas dos distúrbios permaneçam estáveis por um tempo, até que seja instalada uma crise, que é caracterizada justamente pela exacerbação dos sintomas, associada a problemas psicológicos. Essa crise pode ser desencadeada por fatores diversos, incluindo problemas familiares ou própria consciência da existência do distúrbio. Vamos fazer um breve resumo de três dos principais distúrbios alimentares: anorexia nervosa, bulimia nervosa e comer compulsivo (binge-eating).

Anorexia nervosa – uma particularidade deste problema diz respeito à distorção que o indivíduo produz da própria imagem, a partir do pavor da obesidade e do receio de manter um peso corpóreo mínimo normal. Os fatores sociais são decisivos, porque hoje, principalmente, convivemos com exigências muito específicas do padrão de beleza. Mas precisamos lembrar, meninas, que a questão não é ser magra, mas ser saudável. A ilusão da imagem corporal faz com que a pessoa queira ser cada vez mais magra. Para isso, limitam a ingestão de alimentos e até excedem nos exercícios físicos. É bastante comum a pessoa forçar o vômito, utilizar laxantes ou diuréticos para alcançar o objetivo de se manter magra. Há uma preocupação consciente com a seleção e a ingestão dos alimentos. O diagnóstico é feito com a observação da perda de peso acentuada, aliada aos sintomas psicológicos  (Leia mais sobre a anorexia nervosa).

Bulimia nervosa – é característica dos indivíduos que comem compulsivamente e, em seguida, provocam o vômito para se livrar da culpa. Também adotam dietas rigorosas e excesso de exercícios físicos, na tentativa de “manter a forma”. O bulímico consome rapidamente uma grande quantidade de alimentos, o que é seguido por uma angústia intensa e um sentimento de culpa, o que leva à purgação. Normalmente esta ingestão excessiva de comida é provoca por estresse emocional e o indivíduo, muitas vezes, faz o consumo dos alimentos escondido. Para que seja diagnosticada é preciso que seja uma prática constante a purgação (vômito). É muito comum que a pessoa apresente oscilações constantes no peso corpóreo (Leia mais sobre a bulimia nervosa).

Comer compulsivo – o comer compulsivo é típico das pessoas que possuem obesidade. É o consumo exagerado de alimento com alto teor calórico, sem a indução subsequente ao vômito. Muitos pacientes apresentam quadros de depressão, decorrente, inclusive, das limitações provocadas pelo excesso de peso. Neste caso também não há abuso de laxantes ou diuréticos. (Leia mais sobre o comer compulsivo).

Claro que se preocupar com a forma física é legal e a vaidade pode ser positiva. Mas precisamos ter cuidado até onde estamos dispostos a ir para seguir o padrão de beleza vendido pela mídia. Transtorno alimentar é um problema de sáude. Emagrecer pode ser saudável, mas não por meio de vômitos induzidos, uso de laxantes ou de diuréticos. O emagrecimento saudável exige o acompanhamento de um profissional de saúde. Se você se enquadra em um dos casos acima, procure um médico. Se você conhece alguém que apresenta algum dos sintomas destacados, recomende um médico, encaminhe. Vamos cuidar da saúde, gente. Não adianta estar magro e doente. Ao invés de qualidade de vida, você vai ganhar é uma série de outros problemas.

========================
Mais sobre o assunto:
>> Distúrbios da conduta alimentar: anorexia e bulimia nervosas
>> Escalas de avaliação de transtornos alimentares
>> Outros transtornos, aspectos sociais, alterações cerebrais
>> LIVRO: Transtornos alimentares e obesidade
>> Epidemiologia dos transtornos alimentares: estado atual e desenvolvimentos futuros
>> Transtornos alimentares: classificação e diagnóstico
>> Transtornos alimentares em homens: um desafio diagnóstico
========================

10 comentários em “Transtorno alimentar

  1. Muito bacana o seu post sobre transtornos alimentares. Durante anos sofri deste transtorno que, até hoje, tem difícil diagnóstico e ainda mais difícil tratamento.
    Os médicos não estão preparados para atender esses casos e os pacientes que sofrem deste mal ficam a mercê da doença ou, se realmente estão decididos a vencê-la, precisam “criar” um tratamento por conta própria.
    Gostaria de fazer duas observações apenas: a bulimia é o transtorno do comer compulsivo associado à necessidade de eliminação daquela comida por culpa. Essa eliminação pode se dar das mais diversas formas: o vômito é apenas uma delas. Além de atividades físicas, podem usar laxantes, diuréticos, ativadores de metabolismo e tudo o mais que for anunciado pela mídia como redutor de peso. Daí o perigo!
    Outra observação é que, no Rio de Janeiro, um centro de tratamento de Distúrbios Alimentares é a Santa Casa de Misericórdia. Psiquiatria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro – Rua Santa Luzia 206 – Centro – Rio de Janeiro/RJ – Tels.: (21) 9367-2369 / (21) 2221-4986 / (21) 2533-0118

    1. Valeu pelas dicas de contato. Realmente, o problema é sério e muita gente acaba não compreendendo isso. Mas garantimos que faremos mais posts sobre o assunto. A ideia é justamente contribuir com informações e ajudar!!!
      Um grande abraço!

    1. Oi Cristiano,
      No Rio de Janeiro há o Gota (Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares), que pode ser contactado pelo telefone (21) 2507-0065. Há também a ASTRAL BR, uma associação de apoio à portadores de Transtornos Alimentares e seus familiares (http://www.astralbr.org). Deve haver muitas outras, mas como moramos em Salvador (BA), não conhecemos exatamente os centros que funcionam no Rio. Minha dica é que você entre em contato com uma dessas associações, que com certeza eles terão alguma indicação pra te ajudar.
      Grande abraço!

  2. bom sou do estado do espirito santos estou no rio a procura de um tratamento para meu destubio alimentar descobri e assumi a 4 anos so agora estou a procura de tratamento pois estou ficando muinto magro para minha decepição na rede publica do rio estão suspenso ou a lista de espera to muinto mal e na rede privada a consulta esta entre 250 a 600 reais como ter ajuda socorro?

  3. bom sou do estado do espirito santos estou no rio a procura de um tratamento para meu destubio alimentar descobri e assumi a 4 anos so agora estou a procura de tratamento pois estou ficando muinto magro para minha decepição na rede publica do rio estão suspenso ou a lista de espera to muinto mal e na rede privada a consulta esta entre 250 a 600 reais como ter ajuda socorro?

    cont.021-26164378 ou 93344548
    email.p.de.ferreira@hotmail.com

  4. Alane,

    Parabéns pela matéria. Realmente, os sinais dos transtornos alimentares podem passar desapercebidos diante da onda de dietas que atinge a vida das pessoas. A informação é uma aliada, principalmente da família para lidar com essa situação.
    Li nos posts anteriores que você é de Salvador, por isso recorro à você para me indicar algumas clínicas na sua cidade, pois estamos à procura de internamento para minha irmã (ela sofre de transtornos alimentares há mias de seis anos).
    Desde já agradeço.

    1. Oi Ana Carolina.
      Imagino o problema pelo qual vocês estão passando, mas o mais importante é exatamente procurar ajuda. Aqui em Salvador, o Hospital das Clínicas tem um ambulatório de nutrição, que cuida também de transtornos alimentares. É muito complicado conseguir qualquer informação com eles por telefone, então é importante que você leve sua irmã lá e procure saber as informações necessárias, como horário de funionamento, marcação da consulta… estas coisas… O hospital é público.

      Você também pode tentar na escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia. Lá há um ambulatório que cuida de transtornos alimentares. Funciona às quintas-feiras, das 13h às 17h. Fica na Avenida Araújo Pinho, 32, Canela. O telefone é o 71-3283-7700. Pelo telefone você pode pedir mais informações. Também pode tentar os números 3332-3509/ 3241-7154

      Além disso, há uma médica, uma profissional da área de nutrição chamada Márcia Magalhães, que também trabalha com obesidade e transtornos alimentares. O consultório dela fica no Hospital da Bahia. No caso dela, é só ligar (71) 2109-2000 pra saber o valor da consulta e marcar.

      Estou mandando estas informações por e-mail também, com outros detalhes. Espero que ajudem.
      Beijos,
      Alane.

  5. Estive no ambulatório do Hospital das Clinicas em Salvador em 2010 não sei se a médica responsável pela parte do ambulatório de nutrição mudou, mas se for uma tal Dra Maria Luiza (gastroenterologista),não recomendo a ninguém meu tratamento ia indo bem até qeu ela resolveu reunir enfermeiros, estagiários em nutrição e psiquiatra numa sala um belo dia e me fez alvo de chacota ,segundo ela ninguém gosta nem come doces na equipe dela, eu estava com um pote com doces congelados para levar pra uma amiga e foi o suficiente pra ela fazer piada e rir da minha cara,só o psiquiatra ficou calado, o resto da” CORTE” de puxa saco dela rindo, nunca mais voltei mandei um email para a nutricionista na época Dra Mônica Portela ,que não estava na tal reunião ,contei em resumo, até avisei que ia no outro dia ,mas não consegui mais ir lá, ela é gastro gente, pelo amor de Deus , que capacidade tem uma gastro ainda mais com a natureza dela pra ser a responsável por esse setor, teria que ser ou um psiquiatra ou uma nutricionista .Olhe nem sei se alguém deve arriscar ir lá …se ela não estiver lá há esperança ,se ainda estiver se preparem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *