Conto: Conformismo

Crédito da ilustração: Clarissa Pacheco

-Você conseguiu o mais difícil, me fazer baixar a guarda… e agora quem levanta a guarda é você… Depois de tanta insistência, você simplesmente recua… Eu não consigo te entender…

[silêncio]

-O que eu preciso fazer pra você confiar em mim? Pra você acreditar que eu estou a fim de enfrentar o mundo por nós dois? Pra te mostrar que eu estou disposta a comprar essa briga, mesmo sabendo o quanto vai ser difícil…

-É medo…

-Medo? Medo de que?

-Medo de correr o risco e perder você… Medo de assumir essa relação, de comprar essa briga e tudo dar errado… Do jeito que estamos, mesmo que dessa forma estranha de viver a dois, terei você a vida inteira. Se a gente arriscar e não der certo, perderei você pra sempre…

-Mas você não acha que a gente pode se esforçar pra fazer dar certo ao invés de deixar de arriscar por medo de dar errado? Você não acha que esse é um risco que vale a pena correr?

-Você não entende… O risco de perder você nunca valerá a pena correr.

[Lágrima e silêncio]

[Silêncio e lágrima]

– Eu amo você. Mas nunca vou poder ter você do jeito que eu quero. E eu prefiro te ter por perto assim, desse jeito, apenas em minha cama, do que não ter você em minha vida. É o conformismo mais medíocre que já vivi.

[Silêncio e adeus]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *